Razão de ser do blog


POR QUE ESCREVER CRÔNICAS SOBRE FILMES?

Filmes moldam o nosso jeito de encarar o mundo. Alguns são pura distração, enquanto outros guardam cenas valiosas, que devem ser tratadas com respeito. Sei que a maioria dos cinéfilos não se contenta apenas em assistir aos filmes. O impulso é o de querer saber mais sobre eles, para poder discutir, desvendar seus significados, revisitá-los em momentos de mais maturidade... Refinar as escolhas!
        É por esse motivo que lemos as resenhas e críticas que pipocam nos sites de cinema. O problema é que elas nem sempre me contam aquilo que quero saber. Foi por isso que criei a Crônica de Cinema.
        Não me interessam as fofocas de bastidores, nem o paparico às estrelas e celebridades. Quando leio críticas, quase sempre tenho que pular parágrafos inteiros, para garimpar detalhes do enredo, conhecer as origens da história e entender as sacadas narrativas usadas pelos cineastas. Para complicar, alguns críticos têm o péssimo hábito de embaçar suas análises com uma grossa camada de viés ideológico. Há sempre um posicionamento político aqui e outro ali, tentando contaminar minha visão sobre o filme. Por isso resolvi escrever crônicas, ao invés de críticas.
        Por anos venho esquadrinhando os filmes que me interessam, escrevendo sobre o que consigo enxergar. Mas jamais me atrevi a produzir críticas de cinema. Críticos profissionais seguem metodologias acadêmicas, valem-se de informações privilegiadas junto às fontes do mercado de entretenimento, usam a linguagem jornalística e trabalham duro para acompanhar todos os festivais de cinema. Sigo apenas meus instintos de autor. Então, como um cronista viciado em divagações, tentei encontrar o formato adequado para falar dos filmes que me conquistaram – ou me desgostaram!
        Nos últimos dois anos usei os filmes como pretexto para falar da vida. Escrevi mais de 300 crônicas, publicadas gratuitamente aqui no blog. O feedback favorável dos leitores tem me animado a continuar publicando uma crônica inédita todo domingo. Embora tal empreitada cobre grande dedicação, o resultado é compensador. O acervo que consegui reunir na Crônica de Cinema se tornou, para mim, motivo de orgulho.
        Portanto, fica aqui o meu convite: acesse a lista de filmes e escolha aqueles que sejam do seu interesse. As crônicas podem ser lidas com tranquilidade, pois evito antecipar os finais e as cenas mais importantes, para não estragar a surpresa de quem ainda nãos assistiu. Caso isso seja inevitável, o leitor encontrará um alerta de spoiler!

Boa leitura!



Comentários

Confira também:

O Impossível: a história real da família de María Belón

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?