Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Mistério

Camaleões: policial com atmosfera de suspense

Imagem
Camaleões: direção de Grant Singer PERSONAGENS QUE SE REVELAM NO RITMO CERTO Desde que o detetive Auguste Dupin, personagem do conto Os Assassinatos na Rua Morgue , de Edgar Allan Poe, deu as caras em 1841, o gênero policial encontrou caminho livre para se desenvolver. Do gótico ao noir, do whodunnit aos thrillers, todos os estilos deixaram as páginas da literatura e ganharam vida nas telas do cinema. O policial detetive virou personagem íntimo dos cinéfilos, como se fizesse parte do nosso dia-a-dia. A própria profissão de investigador já nos parece tão familiar, que praticamente a dominamos. Conhecemos o jargão, as malandragens, os ossos do ofício... Existem policiais de todos os tipos: os meticulosos, os obsessivos, os violentos, os atormentados, os justiceiros... Agora, em Camaleões , filme de 2023 dirigido por Grant Singer, somos apresentados a um novo tipo de detetive: aquele mais interessado em concluir a reforma da própria casa!           Ok, podemos encarar esse traço de pers

O Pálido Olho Azul: ficção envolvente com final surpresa!

Imagem
O Pálido Olho Azul: direção de Scott Cooper AQUI, EDGAR ALLAN POE VIRA PERSONAGEM O diretor Scott Cooper diz preferir o formato de longa-metragem ao invés daquele estabelecido para as minisséries da TV. Tendo a concordar com ele, já que a objetividade de resolver tudo em duas horas se encaixa melhor na minha experiência cotidiana de cinéfilo. Mais demoradas, as séries demandam disciplina e um maior controle da ansiedade, enquanto esperamos a resolução da trama. Não sei se essa preferência do diretor foi o único motivo para que  O Pálido Olho Azul , de 2022, fosse realizado como filme, mas o fato é que o material no qual ele se baseou – o romance com o mesmo título escrito em 2009 por Louis Bayard – traz uma profusão de personagens e uma trama minuciosa o bastante para render uma minissérie inteira. E das boas!          Vamos começar falando do livro. Seu autor  tem no currículo alguns ótimos mistérios históricos, como Mr. Timothy e O Mistério da Torre Negra . Em  O Pálido Olho Azul ,

The Sinner: série policial de suspense psicológico

Imagem
The Sinner: série desenvolvida por Derek Simonds UM PERSONAGEM E SUA JORNADA Quando a safra de bons filmes disponíveis nos serviços de streaming começa a se esgotar, lembro do óbvio: há uma grande quantidade de séries feitas para a TV, só esperando para serem descobertas. O problema é saber escolher. Odeio quando percebo, lá pelo segundo ou terceiro episódio, que o enredo é raso, que os personagens são estereotipados e que não haverá uma perspectiva clara para a resolução da história. Isso porque na maioria das séries, na medida em que a audiência vai definhando, os realizadores simplesmente cancelam futuras temporadas – ou pior, inventam um final capenga e frustrante. Como não quero correr esse risco, trato de trocar mensagens com a Julia. Minha filha sempre vem com boas sugestões e me garantiu que The Sinner , série desenvolvida por Derek Simonds em 2017, é imperdível. Conferi, adorei, maratonei as quatro temporadas e fiquei torcendo para que haja uma quinta.           The Sinner é

Entre Facas e Segredos: surpresa no final e ação o tempo todo

Imagem
Entre Facas e Segredos: direção de Rian Johnson UM ÓTIMO ROTEIRO, QUE EVITOU AS ARMADILHAS DO GÊNERO Os romances policiais de mistério se tornaram uma febre por décadas, desde que Sir Arthur Conan Doyle emplacou seu Sherlock Holmes. Com o tempo, eles derivaram num tipo muito específico de ficção, onde o autor propõe um quebra-cabeça para estimular o raciocínio do leitor, enquanto o confunde com pistas falsas. Tentar descobrir a identidade do assassino, antes que ela seja revelada nas últimas páginas, tornou-se verdadeiro passatempo para os admiradores desse estilo de romance. Os anglo-saxões chegaram a criar um termo específico para se referir a esse gênero literário: o “whodunnit”, uma corruptela da expressão "Who has done it?" – numa tradução livre, algo como... Quem fez isso?          U m whodunnit que se preze tem que estar confinado a um ambiente restrito – uma mansão, um hotel ou um trem – que represente o microcosmo social composto por ricaços sovinas cercados pela ple

Tempo: um mistério enrolado em questões éticas

Imagem
Tempo: filme de M. Night Shyamalan ENVELHECENDO SEM O BÔNUS DA EXPERIÊNCIA DE VIDA O que é o tempo? A tirada espirituosa de Santo Agostinho, no seu livro autobiográfico As confissões , já virou resposta clássica: “Se ninguém me pergunta, eu o sei, mas se me perguntam, e quero explicar, não sei mais nada.” A frase se popularizou, porque a maioria de nós não quer se perder com divagações. Sempre de olho no relógio, estamos mais preocupados com os compromissos a cumprir. Feito peixes que se movem sem atinar para a existência da água, seguimos com a vida, distraídos para a passagem do tempo. Segundo os físicos, ele é de uma constância implacável: não se apressa, não se cansa, não pára. Mas não é o que diz o senso comum. Quando estamos nos divertindo, o tempo voa, quando estamos na cadeira do dentista, ele se arrasta. Na medida em que o tempo flui, ficamos mais velhos. E se ficamos mais velhos, é porque acumulamos mais tempo de vida. Essa lógica cristalina vai por terra no filme Tempo , dir

Siga a Crônica de Cinema