Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Baseado em Quadrinhos

Tempo: um mistério enrolado em questões éticas

Imagem
Tempo: filme de M. Night Shyamalan ENVELHECENDO SEM O BÔNUS DA EXPERIÊNCIA DE VIDA O que é o tempo? A tirada espirituosa de Santo Agostinho, no seu livro autobiográfico As confissões, já virou resposta clássica: “Se ninguém me pergunta, eu o sei, mas se me perguntam, e quero explicar, não sei mais nada.” A frase se popularizou, porque a maioria de nós não quer se perder com divagações. Sempre de olho no relógio, estamos mais preocupados com os compromissos a... Crônica exclusiva para apoiadores. Para continuar lendo, torne-se um apoiador.   APOIE QUEM GERA CONTEÚDO DE QUALIDAE Com apenas R$8,00 você participa da minha campanha na  Apoia.se  e me ajuda a continuar escrevendo novas crônicas. Clique aqui!

Batman: novo fôlego para o vigilante mascarado

Imagem
Batman: filme de Matt Reeves UM PERSONAGEM AFERRADO À SUA CONCEPÇÃO GRÁFICA – Onde fica Gotham City? – perguntei, enquanto mordia meu pão com queijo e mortadela. Meu pai não tirou o olho do jornal. Deu um longo gole na sua xícara de café fumegante e resmungou:           – Gotham City não existe! É uma cidade de mentira.           – Por que não fizeram a história numa cidade de verdade?           – Porque o Batman é de mentira. – E completou. olhando-me nos olhos: – Não existe!           Meu pai terminou de ler o jornal, despediu-se e saiu para o trabalho. Não gostava de histórias em quadrinho. Não perdia tempo com essas bobagens infantis. Diferente dele, eu adorava. Queria saber tudo sobre o Batman. Na minha infância, havia dois deles: o dos quadrinhos, que era mais raivoso e sombrio, e o da TV, mais engraçado e irreal. Mas havia apenas uma Gotham City, imensa e parecida com as cidades americanas. Para o meu pai, ela não existia, mas eu a enxergava como uma personagem. Era habitada por

Logan: filme de 2017 mostra o ocaso de Wolverine

Imagem
Logan: filme dirigido por James Mangold PARA OS FÃS QUE GOSTARIAM DE VER O PERSONAGEM COM MAIS PROFUNDIDADE DRAMÁTICA Acordei, olhei minha imagem no espelho enquanto cuspia a espuma azulada de uma droga de pasta de dente que comprei por engano e sacudi a cabeça, num gesto irritado de negação: estou ficando velho e rabugento! Quisera que fosse mais rabugento do que velho, mas temo que o tempo esteja vencendo essa corrida. Na noite anterior havia assistido ao filme Logan , dirigido em 2017 por James Mangold e ainda estava atordoado com aquele rápido mergulho no mar raso dos filmes de super-heróis. Por insistência da minha filha – ela jurou que esse era menos infantilizado - resolvi encarar o desafio.           Antes que o leitor me acuse de preconceituoso, deixe-me esclarecer: adoro histórias em quadrinhos e as considero uma arte narrativa riquíssima. Já consumi muitos quadrinhos e muita literatura sobre o assunto. Já assisti a vários filmes de super-heróis e outros originados dos quadri

A Morte de Stalin: uma sátira sobre a disputa pelo poder

Imagem
A Morte de Stalin: filme dirigido por Armando Iannucci UMA COMÉDIA QUE EXALA HUMOR REFINADO E ELEGANTE Quando examinei a capa no serviço de streaming, fiquei em dúvida: que tipo de filme é esse? Um drama histórico? Uma cinebiografia? Precisei consultar o buscador na internet para entender que se trata de uma comédia, o que aumentou ainda mais minha relutância – sou exigente em relação às comédias e não é qualquer rompante de humor escrachado que me agrada. Porém, uma rápida olhada na ficha técnica do filme me convenceu de que A Morte de Stalin , realizado em 2017 por Armando Iannucci, merecia uma chance.           Em primeiro lugar, o diretor tem ótimas credenciais: o escocês tornou-se um expoente da comédia política entre o público americano, por meio da série Veep , que escreveu, produziu e dirigiu para a HBO. Em segundo lugar, o elenco reúne nomes de peso entre os americanos e britânicos. Foi o suficiente para deduzir que o filme poderia trazer boas doses de humor refina

Radioactive: a história real de Madame Curie

Imagem
Radioactive: filme dirigido por Marjane Satrapi A PERSONAGEM BRILHA RADIANTE, GRAÇAS AO DESEMPENHO DA ÓTIMA ATRIZ Foi muito fácil clicar no play para assistir a esse filme. Bastou olhar a imagem da atriz Rosamund Pike e ler na sinopse que se tratava de uma cinebiografia de Marie Curie. Empolgados, Ludy e eu nos preparamos para bons momentos de entretenimento. Enquanto os créditos iniciais ainda eram exibidos, chegamos a especular sobre o imenso potencial dramático de um filme narrando as descobertas científicas de tão renomada personagem.           Mas a verdade é que sabíamos muito pouco sobre Madame Curie – o suficiente apenas para acertar as questões básicas nas provas do ensino médio. A personagem apresentada no filme Radioactive , realizado em 2019 por Marjane Satrapi, ganhou contornos claramente romanceados e surpreendeu pela personalidade forte e pela genialidade, mas também pelo forte senso de família e dedicação em viver uma intensa história de amor com Pierre, o igualmente ge

No Limite do Amanhã: roteiro preciso, com explicação para tudo

Imagem
No Limite do Amanhã: filme dirigido por Doug Liman UMA LIGHT NOVEL QUE REALIZOU O SONHO DE VIRAR BLOCKBUSTER Quando a indústria do cinema azeita sua máquina e a coloca para trabalhar, consegue resultados impressionantes. No Limite do Amanhã , filme de 2014 dirigido por Doug Liman é um bom exemplo. Aqui temos Tom Cruise em um de seus melhores momentos, ao lado da sempre encantadora Emily Blunt. Trata-se de um filme de ação e ficção científica que pode ter passado despercebido para quem não é fã do gênero, mas contém cinema de qualidade e merece ser conferido.            O filme conta como o Major Caje (Tom Cruise), um covarde enquanto soldado, mas bem-sucedido enquanto oficial de relações públicas do exército, acaba no front durante uma batalha feroz contra alienígenas tentaculares que invadiram a terra. Ele morre, mas por obra de uma dessas intricadas tramas da ficção científica, fica preso num looping temporal, morrendo e reiniciando o dia da sua morte, ad aeternum.         Quem já

Estrada Para Perdição: história em quadrinhos que virou filme

Imagem
Estrada Para Perdição: filme dirigido por Sam Mendes UMA ADAPTAÇÃO ELEGANTE, QUE NÃO SE DETÉM NA NATUREZA GRÁFICA DA HQ – História em quadrinhos? Faça-me o favor! Isso é coisa de criança! – O Celso não tinha papas na língua. Examinou a minha pilha de gibis e não se interessou por nenhum. Tentei argumentar, mostrando um exemplar do The Spirit , do Will Eisner, mas ele não deu ouvidos. Disse que tinha mais o que fazer, insistiu para que eu fosse na sua festa de despedida e saiu apressado. Aos dezoito anos, estava de partida para Brasília. Fora destacado para servir na polícia do exército. Também pudera! Era um cara grande e forte, com 1,90 de altura e ainda em fase de crescimento. Já o tinha visto brigando no bairro e sabia que ele se daria muito bem na caserna. Era o sujeito mais bronco da rua e tinha essa aversão por livros e revistas, mas era muito gente boa! Sempre achei que o Celso poderia virar um ótimo personagem de história em quadrinhos, dessas com muita luta, tiroteios, persegu

Coringa: a trilha sonora reforça a mensagem do filme

Imagem
Coringa: filme dirigido por Todd Phillips AQUI, A TRILHA SONORA VIROU O GRANDE DESTAQUE A badalação em torno do filme Coringa , dirigido em 2019 por Todd Phillips, capturou minha atenção. Há tempos não me entregava às infantilidades dos filmes de super-heróis, mas a indicação para onze óscares e a conquista das duas estatuetas  –  melhor ator para Joaquin Phoenix e trilha sonora para Hildur Gudnadottir  –  vieram como uma intimação para conferir a produção. Batman era  meu super-herói favorito desde a tenra infância  e o vilão Coringa já era meu velho conhecido. A promessa de ser apresentado a novas camadas da sua personalidade confusa, ainda não exploradas no cinema, trouxeram uma empolgação adicional. Paguei para ver e saí satisfeito. O filme contém cinema de verdade!         No filme Coringa , o que salta aos olhos logo nos primeiros instantes é a fotografia áspera, em tons saturados e muito contrastada, imitando o jogo de luzes e sombras das histórias em quadrinhos – muito embora o