Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Tribunal

Um Crime de Mestre: mais uma tentativa de cometer o crime perfeito

Imagem
Um Crime de Mestre: dirigido por Gregory Hoblit TIRANDO PROVEITO DO EMARANHADO JURÍDICO Lá pelos doze anos, o que me estimulou para a leitura foi Sherlock Holmes. As histórias do famoso detetive e seu assistente, Doutor Watson, mantinham-me ocupado por horas nas tardes de férias. Foi nas páginas de Sir Arthur Conan Doyle que encontrei a comprovação: o crime não compensa, mentira tem perna curta e não existe crime perfeito! O arrogante criminoso sempre deixará pistas na cena do crime, que estarão gritando na direção da verdade. Basta usar as ferramentas da dedução para montar o quebra-cabeça e fechar o circuito lógico.           Quando virava a última página do livro e encontrava a palavra “fim”, começava uma nova aventura: a de tentar imaginar como o autor havia construído tão intrincada história. A única possibilidade, conforme minhas próprias deduções lógicas, era seguir o caminho reverso: começar bolando a trama e depois criar os detalhes do crime, imaginando as pistas que seriam de

Os Sete de Chicago: fatos reais que chocaram o mundo

Imagem
Os Sete de Chicago: filme dirigido por Aaron Sorkin UM FILME DE TRIBUNAL ONDE RESPIRAMOS O GÁS LACRIMOGÊNEO DOS ANOS 60 Ao lidar com temas políticos, um diretor sabe que será julgado pela plateia sob dois parâmetros: pela sua ideologia e pelo seu cinema. No filme os Sete de Chicago , de 2020, Aaron Sorkin soube manter sua ideologia a uma distância discreta, mas não poupou espaço para o seu ótimo cinema! Realizou essencialmente um filme de tribunal, com todos os cacoetes do gênero e repleto de momentos eletrizantes.           Como roteirista, Aaron Sorkin já revelou seu talento em filmes como Questão de honra , Jogos de Poder e A Rede Social . Como diretor, já havia realizado A Grande Jogada . Agora, escreveu e dirigiu o filme  Os Sete de Chicago , depois que o diretor destacado originalmente – ninguém menos que Steven Spielberg – teve que abandonar o projeto. Saiu-se bem! O filme narra um episódio histórico na vida jurídica e política dos americanos, que contribuiu para es

Tempo de Matar: uma história onde o racismo interfere nos julgamentos

Imagem
Tempo de Matar: filme de Joel Schumacher CINEMA COM PRECONCEITO RACIAL, DILEMAS MORAIS E LABIRINTOS JURÍDICOS  O escritor John Grisham ficou famoso por seus romances de tribunal. Já vendeu mais de 300 milhões de exemplares ao redor do mundo e se tornou o número um no segmento dos thrillers de tribunal. Nove dos seus romances foram adaptados para o cinema, mas o primeiro que escreveu – em 1989, apenas três anos depois de se formar advogado – foi Tempo de Matar , que chegou às telas em 1996 dirigido por Joel Schumacher. O autor já havia visto três dos seus títulos virarem filme: A Firma , O Dossiê Pelicano e O Cliente , mas dessa vez decidiu interferir mais diretamente na adaptação. Envolveu-se como produtor, convocou Joel Schumacher para a direção e tratou de impor a concepção de filme que havia imaginado quando concebeu a história.           Tempo de Matar traz uma história bem costurada. Jake Tyler Brigance (Matthew McConaughey) é um advogado trabalhando no estado do Mississipi, ond

The Night Of: minissérie com John Turturro e Riz Ahmed

Imagem
The Night Of: minissérie é oito episódios UMA MINISSÉRIE COM A DENSIDADE DE VÁRIOS LONGA-METRAGENS Desde garoto me tornei viciado em TV. Nasci em 1960 e faço parte da primeira geração de brasileiros criada na frente desse aparelho mágico – ainda em branco e preto e a válvula. Acumulei horas de desenhos animados, séries, novelas, programas de auditório, filmes... muitos filmes! Foi através da TV que tomei contato com preciosos clássicos, como A Noite Americana , Amarcord e Glória Feita de Sangue . Todos foram exibidos na TV, ainda que com anos de atraso em relação aos cinemas.           Mas é claro que a TV também exibia lixo! Além das séries bobinhas e despretensiosas, era frequente tropeçar em filmes tolos, produzidos especialmente para a televisão. Nesses, a temática era leve, a abordagem superficial e os planos sempre fechados, com enquadramentos mais adequados à telinha. Mas desenvolvi um macete para evitar esse tipo de filme: ficava de olho nos créditos iniciais, até o mo