Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Catástrofe

A Onda: baseado em fatos que um dia podem ser reais!

Imagem
A Onda: filme dirigido por Roar Uthaug CINEMA NORUEGUÊS MANIPULA CLICHÊS E ACABA NUMA GRANDE CATÁSTROFE Cineastas costumam ser fisgados pela sétima arte logo na infância. A possibilidade de criar realidades alternativas, iludir com efeitos especiais e dar asas à imaginação, confere um tom lúdico à criação cinematográfica, sugerindo que tudo não passa de pura diversão. Aqueles com habilidades narrativas logo encontram o caminho da profissão, o que não os impede de continuar se divertindo muito ao longo do processo. Esse parece ser o caso do diretor norueguês Roar Uthaug. Seu filme A Onda , realizado em 2015, é um autêntico exemplar do cinema catástrofe, que mistura ação, tensão e destruição, numa fórmula que esperamos encontrar nos melhores parques de diversões. Tem efeitos visuais dignos de Hollywood, mas vem também com uma forte personalidade nórdica.           Fã declarado dos filmes de terror e de catástrofe, Roar Uthaug embarca aqui num gênero consagrado, que lida com conceitos já

O Impossível: a história real da família de María Belón

Imagem
O Impossível: filme de Juan Antonio Bayona REALISMO NÃO BASTA, É PRECISO EXTRAIR EMOÇÃO Quando a costa da Tailândia foi arrasada por um tsunami, no Natal de 2004, as imagens da destruição entulharam nossas televisões e inundaram de tristeza as comemorações de final de ano em todo o mundo. Foram mais de 230 mil vítimas fatais e uma quantidade inimaginável de feridos – física e emocionalmente. As narrativas do desastre ocuparam espaço em toda a mídia, sempre numa abordagem jornalística. Reportagens, mesmo as que elevam o tom para entrar na disputa pela audiência, costumam priorizar o conteúdo informativo, mostrando respeito para com os que sofreram perdas. Mas o cinema, com sua vocação para a dramatização, está mais interessado na emoção, na dor, no sofrimento... Quando decidi assistir ao filme O Impossível , dirigido em 2012 pelo espanhol Juan Antonio Bayona, tive receio de tropeçar em mais uma produção apelativa do gênero catástrofe, recheada de efeitos especiais realistas, planejados

O Dia Depois de Amanhã: fala do recomeço depois de uma catástrofe climática

Imagem
O Dia Depois de Amanhã: filme de Roland Emmerich PERSONAGENS VEROSSÍMEIS, NUMA ENXURRADA DE AÇÕES PARALELAS Pense num diretor altamente lucrativo para Hollywood. Que nome veio à sua mente? Aposto que foi o de Roland Emmerich! A assinatura desse diretor alemão está presente nos principais sucessos do cinema catástrofe: Independence Day , Godzila , 2012 e também O dia Depois de Amanhã , realizado em 2004. É um dos melhores filmes do gênero, não pelas premissas científicas – algumas são duvidosas – nem pela profundidade dos seus personagens, caracterizados a partir de clichês clássicos. O que atrai nesse filme é o domínio mostrado pelo diretor sobre as ações paralelas, decupadas com ritmo e precisão, além da habilidade para mostrar ao espectador aquilo que ele está ansioso para ver, mas apenas no momento certo e de um jeito surpreendente.           O Dia Depois de Amanhã conta a história de Jack Hall (Dennis Quaid), um paleoclimatologista dedicado a investigar as modificações climáticas

No Escuro da Floresta: duas irmãs sobrevivendo ao apocalipse

Imagem
No Escuro da Floresta: filme dirigido por Patricia Rozema O APOCALIPSE SE TORNA INTIMISTA AO GANHAR UM TOQUE FEMININO – Não dá pra se guiar pela sinopse. Esse filme é muito melhor do que dizem – reclamou Ludy, apertando o passo para ultrapassar o casal de idosos à nossa frente. Enquanto a seguia pela pista movimentada do parque, retruquei:         – Ah, mas pense que é difícil resumir um filme inteiro em pouquíssimas palavras. Ainda mais um tão denso!         – Não tem desculpa! Quem escreve essas sinopses só pode ser um estagiário!         Minha mulher estava indignada. Por pouco deixamos de assistir ao filme  No Escuro da Floresta , escrito e dirigido em 2016 pela canadense Patricia Rozema. Classificado no serviço de streaming como drama e descrito rapidamente como um filme pós-apocalíptico, não causou empolgação quando nos deparamos com ele na lista de sugestões. O que me motivou mesmo foi a capa do filme, ilustrada com a foto de Ellen Page e Evan Rachel Wood, duas atrizes conhecid