Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Terror

Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet

Imagem
Sweeney Todd: filme dirigido por Tim Burton UM MUSICAL COM JEITO DE ÓPERA E VISUAL DE FILME DE TERROR Meu pai costumava nos levar, meu irmão mais novo e eu, para cortar o cabelo na barbearia de um amigo. Éramos novinhos de tudo e encarávamos a missão com impaciência. Os minutos sentados na cadeira do barbeiro, enquanto a máquina com ímpeto militar ia raspando bem rente, eram intermináveis e enfadonhos. Mas então, vinha a recompensa: enquanto saboreávamos as balas e pirulitos... Crônica exclusiva para apoiadores. Para continuar lendo, torne-se um apoiador.   APOIE QUEM GERA CONTEÚDO DE QUALIDAE Com apenas R$8,00 você participa da minha campanha na  Apoia.se  e me ajuda a continuar escrevendo novas crônicas. Clique aqui!

O Exorcista: um clássico que continua assustador

Imagem
O Exorcista: filme dirigido por Willian Friedkin EFEITOS ESPECIAIS AJUDAM, MAS O IMPORTANTE É SABER CONTAR A HISTÓRIA Quando foi lançado em 1973, O Exorcista virou fenômeno por toda a mídia. Nas rodas de conversas, era assunto obrigatório. Nunca um filme de terror havia conquistado tanto espaço no imaginário do público, nem na crítica especializada. Para um garoto de 14 anos, interessado em cinema, assistir ao filme seria uma conquista – prova de coragem e oportunidade de se aproximar do mundo adulto. O problema é que ele não era permitido para menores de 18 anos. Naquela época, a censura era dura e implacável!           Mas encontrei a solução: um amigo três anos mais velho me emprestou um exemplar do livro O Exorcista , escrito por William Peter Blatty, também autor do roteiro que foi às telas de cinema. A capa, que não seguia o padrão gráfico dos cartazes do filme – lembro que trazia uma ilustração medieval – era mais artística do que assustadora. Mergulhei na leitura.           Pe

O Iluminado: um dos melhores filmes de terror já realizados

Imagem
O Iluminado: filme dirigido por Stanley Kubrick UMA HISTÓRIA ESCRITA POR STEPHEN KING, BURILADA POR STANLEY KUBRICK E REESCRITA NO IMAGINÁRIO DOS CINÉFILOS – Quando você vai escrever sobre O Iluminado ?           Desde que inventei a Crônica de Cinema, já ouvi essa pergunta inúmeras vezes. Mas a quantidade assustadora de informações disponíveis na internet sobre esse filme sempre me inibiu. Que comentários poderia fazer que os cinéfilos já não soubessem de cor e salteado? O Iluminado , realizado em 1980 por Stanley Kubrick é um dos melhores e mais elaborados filmes de terror de todos os tempos. Sobre ele há documentários, entrevistas, cenas de bastidores, fotografias, curiosidades, fofocas... Há inclusive uma complexa teia de especulações sobre a obsessão do diretor com a simetria do seu filme, expressa nos números ocultos em diversas cenas, como se fossem os easter eggs de um videogame.           Para começar a falar sobre o filme  O Iluminado , preciso deixar claro que Stanley Kubric

Operação Overlord: imaginação passando por cima dos fatos

Imagem
Operação Overlord: direção de Julius Avery ENTRETENIMENTO DESPREOCUPADO COM A PRECISÃO HISTÓRICA Muito bem, estamos falando de um filme sobre zumbis nazistas, repleto de sangue e violência, com cenas escabrosas de horror. Mas essa é apenas uma forma de definir Operação Overlord , filme de 2018 dirigido por Julius Avery. Aqueles que não apreciam o gênero, ou são sensíveis ao tema, vão riscá-lo de imediato da sua lista de filmes para conferir. Mas deixe-me colocar as coisas de outra forma, para animar quem está à procura de bons momentos de entretenimento: o filme nos traz uma ótima história, muito bem contada!           Basta lembrar que Operação Overlord é produzido por J.J. Abrams, um dos grandes nomes do cinema comercial. Depois de surgir com a ideia inicial, ele colocou a escrita do roteiro nas mãos do experiente Billy Ray – que já escreveu O Caso de Richard Jewell , Capitão Phillip e A Guerra de Hart . Para completar, o roteiro ainda foi burilado por Mark L. Smith –

Alien: o Oitavo Passageiro: terror e ficção científica numa mistura poderosa

Imagem
Alien, o Oitavo Passageiro: direção de Ridley Scott CINEMA EM ESCALA INDUSTRIAL COM RELEVÂNCIA ARTÍSTICA Vamos voltar no tempo, até 1979. Às portas da década de 80 o mundo ainda era assombrado pela guerra fria. Nos cinemas, filmes como O Franco Atirador , O Expresso da Meia-Noite e Apocalipse Now disputavam audiência com O Show Deve Continuar , Kramer vs. Kramer e O Céu Pode Esperar . Cinema relevante era sério, contundente, denso repleto de conteúdo artístico e dramático. Um filme misturando ficção científica com terror tinha poucas chances de ser discutido nas rodas de cinéfilos ligados na qualidade cinematográfica.           Acontece que Alien, o Oitavo Passageiro , dirigido por Ridley Scott, correu por fora e se impôs como novidade, criando um novo padrão para o cinema de entretenimento em escala industrial. Virou uma franquia e uma fonte de inspiração para incontáveis produções e lançou os holofotes sobre os nomes do diretor e da atriz principal, Sigourney Weaver.           O f