Coringa: a trilha sonora reforça a mensagem do filme

Cena do filme Coringa
Coringa: filme dirigido por Todd Phillips

AQUI, A TRILHA SONORA VIROU O GRANDE DESTAQUE

A badalação em torno do filme Coringa, dirigido em 2019 por Todd Phillips, capturou minha atenção. Há tempos não me entregava às infantilidades dos filmes de super-heróis, mas a indicação para onze óscares e a conquista das duas estatuetas  melhor ator para Joaquin Phoenix e trilha sonora para Hildur Gudnadottir  vieram como uma intimação para conferir a produção. Batman era meu super-herói favorito desde a tenra infância e o vilão Coringa já era meu velho conhecido. A promessa de ser apresentado a novas camadas da sua personalidade confusa, ainda não exploradas no cinema, trouxeram uma empolgação adicional. Paguei para ver e saí satisfeito. O filme contém cinema de verdade!
        No filme Coringa, o que salta aos olhos logo nos primeiros instantes é a fotografia áspera, em tons saturados e muito contrastada, imitando o jogo de luzes e sombras das histórias em quadrinhos – muito embora os enquadramentos bem comportados se aproximassem mais do cinema do que das graphic novels.
        – Palmas para a direção de arte – pensei, enquanto me deliciava com a plasticidade das sequências bem articuladas, que se desenrolavam num ritmo tenso e envolvente.
        Foi quando me dei conta de que o incômodo que sentia não vinha só da avassaladora presença em cena do protagonista, nem da perturbadora promessa de caos e demência que estava por vir. Era resultado de uma outra força, subliminar, que me alcançava enquanto entregava os sentidos de bandeja para os hábeis contadores de histórias – é disso que se trata o cinema! Demorei um pouco para entender, pois só conseguia ver um Coringa com as entranhas expostas, perdendo a humanidade cena após cena. Por sorte, recobrei a consciência em algum momento e percebi que era a trilha sonora primorosa a responsável pelo meu estado de torpor. Pude ouvir o protagonista se agigantando a cada nota, a cada acorde, a cada ataque do violoncelo.
        Se Joaquin Phoenix é a personificação do vilão, Hildur Gudnadottir – que também compôs a trilha de Sicario: Terra de Ninguém – é a voz do seu inconsciente. Mais do que pontuar a narrativa e impor o ritmo num crescendo de tensão permanente, a música islandesa consegue se transformar em co-autora do filme! Ok, estou forçando a barra! Mas, exageros à parte, é difícil imaginar um resultado tão marcante se ela não estivesse nos créditos finais. O Óscar que a moça recebeu foi merecidíssimo!
        Os méritos do diretor Todd Phillips também são evidentes Ele acertou em cheio ao dispensar cuidado tão minucioso à trilha sonora. Trata-se de um ativo quase sempre transparente para o grande público, que se torna mais eficiente quando passa despercebido. E como funcionou no filme Coringa! Poucos se dão conta de que os seus próprios sentimentos vão sendo conduzidos, ressonando na mesma frequência das cordas friccionadas pelo arco daquela talentosa compositora.
        Para quem está mais focado no universo dos super-heróis, quem fica na berlinda é mesmo Joaquin Phoenix, um ator de recursos imensos, que merece todos os aplausos entusiasmados. A profundidade do personagem e a transformação pela qual ele passa são os pontos mais memoráveis desse seu Coringa.
        As cenas violentas são de estarrecer, mas o expectador percebe que parte da culpa recai sobre a própria Gothan City. A cidade abriga uma população leniente e anestesiada pela mídia oportunista. Os cidadãos de bem, que jamais dizem bom dia, por favor ou muito obrigado, pecam por omissão. O estado, que detém o monopólio da violência – mas só faz disseminá-la graças à sua burocracia cínica – é o principal agravante. A coletividade forma uma massa medíocre e disforme, que preenche as ruas sufocando os indivíduos que poderiam fazer alguma diferença.
        O filme Coringa está em perfeita sintonia com a saga do Batman e fornece fôlego para futuras investidas do cavaleiro das trevas. Penso que o filme pode se tornar um divisor de águas no gênero, atraindo novos segmentos de expectadores. Assistir a essa produção caprichada foi uma experiência empolgante. Pretendo repeti-la por diversas vezes e estou certo de que, em cada uma delas, descobrirei detalhes valiosos.

Resenha crítica do filme Coringa

Ano de produção: 2019
Direção: Todd Phillips
Roteiro: Todd Phillips e Scott Silver
Elenco: Joaquin Phoenix e Robert De Niro

Comentários

  1. Sem tempo nestes últimos dias pra degustar de suas impressões sobre os inúmeros temas aqui postados, me cobrei por ainda não ter assistido a Coringa, apesar das ótimas críticas que o filme vem recebendo. Vou assistir e volto a comentar...aí sim ,com propriedade. Até Fábio!!!!

    ResponderExcluir
  2. Também quero ouvir as suas impressões! Me conte, quando tiver um tempo!

    ResponderExcluir
  3. Vibrei em cada frase desse texto! Acabei de realizar todo o efeito que essa trilha sonora me causou. Não sabia que era a mesma compositora de Sicario! Boa D+!!!

    Poucas pessoas conseguiram detectar com clareza de onde vem toda essa violência do argumento do filme. Confesso que meus olhos se encheram de água quando me dei conta de que Gotham City nada mais é do que uma alegoria da vida real.

    ResponderExcluir
  4. Cinema, História em Quadrinhos, música, textos, fotografias, arte... A gente vibra com tudo isso, mas se arrepia mesmo é com a vida real! É emocionante!

    ResponderExcluir
  5. Excelente comentário, Fábio! A música realmente tem um grande papel. Mantém a gente atenta à história. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu! Agradeço seu comentário! Gostei muito do filme, mas fiquei mesmo impressionado com a música. É que esse elemento não existe nas histórias em quadrinho, de onde o personagem foi extraído. Foi o que o trouxe para o universo do cinema!

      Excluir
  6. Excelente crítica. Você notou também que o filme é todo simétrico? A assistente social no início e no fim, ele olhando pela janela do ônibus (triste no começo) e pela janela do carro de polícia (esfuziante) no fim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não havia notado isso!!! Ótima observação! Essa é um técnica que traz a sensação de costura para o roteiro e captura os espectadores atentos, como você. Obrigado por observar!!!!!

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

O Impossível: a história real da família de María Belón

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?