Medo da Verdade: no final, um dilema moral se impõe

Cena do filme Medo da Verdade
Medo da Verdade: direção de Ben Affleck

ROMANCE DENSO GANHA UMA ADAPTAÇÃO ENXUTA

O que os filmes Sobre Meninos e Lobos, Ilha do Medo e Medo da Verdade têm em comum? Os três contam histórias gestadas na mente de Dennis Lehane, um dos escritores policiais mais festejados entre os americanos. Seus romances se dedicam a retratar uma certa atmosfera sombria que ele enxerga pairando sobre a cidade de Boston, sua terra natal – que ele esmiúça com certo bairrismo engajado. Dois de seus livros já haviam sido adaptados para as telas por cineastas de peso, como Clint Eastwood e Martin Scorsese. Agora é a vez de Bem Affleck experimentar as dificuldades de lidar com suas tramas investigativas densamente elaboradas e repletas de reviravoltas, que se tornaram marca registrada do escritor.
        Medo da Verdade é um filme que desagua num dilema moral caudaloso, onde personagens complexos caminham sobre a linha que separa o certo do errado. Moral e ética são valores que alguns enxergam embaçados, mas não conseguem descartar facilmente, diante do peso que exercem na consciência. O enredo é tratado com leves toques de humor mórbido, que mal conseguem dissipar o pesado clima de melancolia que impera o tempo todo. Por meio das suas escolhas e decisões, os personagens revelam camadas surpreendentes, enquanto o protagonista busca a verdade que todos temos medo de encontrar. Vamos examinar a sinopse:
        O filme nos conta a história de Patrick Kenzie (Casey Affleck), um detetive particular que trabalha em parceria com sua namorada Angela Gennaro (Michelle Monaghan). O casal é contratado para encontrar a garotinha Amanda McCready (Madeline O'Brien), de quatro anos, que está desaparecida – parece ter sido raptada. O caso ganha repercussão na mídia e choca a comunidade local. Em meio à pressão da vizinhança e dos conhecidos da família, os detetives descobrem que Helene (Amy Ryan), a mãe da garotinha, não é propriamente um exemplo de amor materno. Envolvida com drogas e com suspeitos de pedofilia, ela é o retrato da decadência moral que se apoderou daquele bairro operário ao sul de Boston, onde casas velhas e bares decadentes dividem o lugar com fábricas falidas. Em sua busca pela verdade, o casal de detetives vai esbarrar com muita gente drogada, gangues de criminosos, pedófilos e policiais corruptos. E serão atrapalhados pelos holofotes da mídia sensacionalista e pelos interesses da corporação policial, que se agarra a pré-julgamentos apressados.
        Adaptar o romance de Dennis Lehane foi uma tarefa desafiadora e soou um tanto pretensiosa, especialmente para um diretor estreante. Mas Ben Affleck deu conta. Escrevendo em parceria com Aaron Stockard, eles logo perceberam que o roteiro exigiria uma abordagem mais complexa. Para desenhar as nuances da história e suas reviravoltas, precisariam ir para além das construções de um roteiro básico. Além disso, a necessidade de manter a história clara para o espectador, com doses certas de cenas expositivas, que permitisse apresentar seus elementos factuais, elevou o nível de dificuldade. No final conseguiram ótimos resultados em termos de linhas de diálogo, ambientação e atmosfera.
        Originalmente, o detetive Patrick Kenzie protagonista de Medo da Verdade, era um sujeito na faixa dos 35 ou 40 anos. Para as telas, no entanto, o diretor achou por bem caracterizá-lo com 10 anos a menos. A ideia era que, beirando os 30 anos, o personagem terminasse mais impactado pelas difíceis escolhas morais que precisaria fazer. No romance, isso está claro, mas num filme de duas horas, o diretor temia que as nuances se diluíssem. Concluiu, então, que um sujeito com a vida ainda em construção teria mais a perder e que o tal momento crucial lhe pareceria um divisor de águas. E por tabela, concluiu também que poderia escalar seu irmão mais novo, Casey Affleck, para interpretar o jovem detetive. O ato de nepotismo acabou se mostrando uma ótima escolha.
        Casey Affleck segura a onda, mas o fato é que Medo da Verdade conta com um elenco de peso. Morgan Freeman e Ed Harris, que vivem dois policiais envolvidos na investigação, entregam ótimas atuações, assim como Amy Ryan, que apesar de não ser natural de Boston, caprichou no sotaque. O filme nos conta uma história triste, densa e em muitos momentos desconfortável. Mas para os que apreciam a obra de Dennis Lehane, é um prato cheio. Vale a pena conferir.

Resenha crítica do filme Medo da Verdade

Título origina: Gone Baby Gone
Título em Portugal: Vista pela Última Vez...
Ano de produção: 2007
Direção: Ben Affleck
Roteiro: Ben Affleck e Aaron Stockard
Elenco: Casey Affleck, Michelle Monaghan, Morgan Freeman, Ed Harris, John Ashton, Amy Ryan, Madeline O'Brien, Amy Madigan, Titus Welliver, Slaine, Edi Gathegi, Mark Margolis, Michael K. Williams e Jill Quigg

Comentários

  1. Será que tem na Netflix? Me despertou interesse.

    ResponderExcluir
  2. Suspeito que sim! Já vi esse título em vários serviços de streaming.

    ResponderExcluir
  3. Assisti pela Netflix. Filme realista. A cena final é bem eloquente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema