Yesterday: filme com ótima ideia, mas roteiro fraco

Cena do filme YesterdayYesterday: filme dirigido por Danny Boyle

COMO DESPERDIÇAR UMA ÓTIMA IDEIA

Já pensou acordar e descobrir que você é o único no planeta que se lembra das canções dos Beatles? Vasculha a internet e não encontra uma única vírgula sobre o quarteto de Liverpool. Mas você sabe de cor as letras, os acordes, os arranjos... Em certo momento você pensará que as canções são criações da sua mente. Num arroubo pretencioso, chegará a posar de compositor diante do espelho. Mas terminará consciente de que é proprietário de um acervo tão valioso, que não poderá ficar enfurnado nos confins da sua memória. Terá que assumir a responsabilidade de divulgá-lo para o mundo.
        Pena que essa grande ideia tenha sido desperdiçada num filme... medíocre, por assim dizer. Dirigido por Danny Boyle, escrito por Richard Curtis e estrelado por Himesh Patel, o longa carece de personagens carismáticos, segue uma narrativa apática e é escasso de sensibilidade artística. Uma tal sentença pode parecer exagero, considerando que o roteirista Richard Curtis tem um currículo impressionante. É 
responsável pelas comédias românticas britânicas mais memoráveis, como Quatro Casamentos e um Funeral, Um Lugar Chamado Notting Hill, O Diário de Bridget Jones e Questão de Tempo. O fato é que em Yesterday, as canções dos Beatles recebem um tratamento desleixado e não conseguem sequer insinuar a grandiosidade das interpretações originais. Terminei frustrado, mas com uma vontade enorme de ouvir Beatles de verdade!
        Yesterday conta a história de Jack Malik (Himesh Patel), um obscuro cantor e compositor ciente de que jamais terá qualquer chance na indústria musical – ao menos como cantor e compositor. Até mesmo sua agente e par romântico, Ellie Appleton (Lily James), o incentiva a desistir. Mas, por obra das forças misteriosas que costumam assombrar as comédias românticas, Jack sofre um acidente durante um apagão global e quase morre. Acorda no hospital sem grandes arranhões – apenas um dente da frente lhe faz falta. Mas ao retomar a vida, descobre que os Beatles jamais existiram. Estão apenas na sua memória.
        A trajetória de Jack rumo ao estrelato mundial, valendo-se de canções que todos acreditam ser suas, segue repleta de tropeços e reviravoltas. Mas os realizadores cometeram o erro de tentar dar uma base de credibilidade ao enredo, ao invés de fazer com que o espectador apenas embarque de corpo alma na fantasia. Até mesmo a presença de Ed Sheeran na trama, interpretando a si mesmo, 
também não foi totalmente explorada. Um artista que se vê confrontado com a necessidade de admitir que suas canções não conseguem superar as dos Beatles em qualidade musical, poderia acrescentar doses de sinceridade e verdade emocional na trama. Porém, esse gancho dramático ficou apenas na superfície do humor raso. O espectador fica apenas com um vislumbre do seu enorme potencial criativo.
        Yesterday fica como um alerta: ter uma boa ideia para um filme é só o primeiro passo da jornada. Ainda é preciso transformá-la numa história envolvente, para então decidir como contá-la. É uma pena quando até mesmo os nomes mais criativos do cinema se perdem no caminho. 

Resenha crítica do filme Yesterday

Data de produção: 2019
Direção: Danny Boyle
Roteiro: Richard Curtis
Elenco: 
Himesh Patel, Lily James, Kate McKinnon, Ed Sheeran, Lamorne Morris, Sophia Di Martino, Joel Fry, Ellise Chappell, Harry Michell, Camille Chen, Alexander Arnold, James Corden, Sanjeev Bhaskar, Meera Syal, Karl Theobald, Michael Kiwanuka, Robert Carlyle e Karma Sood

Comentários

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema