Jovem Frankenstein: comédia de Mel Brooks em parceira com Gene Wilder


Jovem Frankestei: filme dirigido por Mel Brooks

HUMOR REFINADO, COM ÓTIMAS GAGS VISUAIS E UM TEXTO IMPECÁVEL

Em meados dos anos 1970 um filme em branco e preto era sinônimo de velharia, o nome Frankenstein já não metia medo e Gene Wilder não era um ator consagrado no Brasil. O que me levou a entrar no cinema para assistir ao filme Jovem Frankenstein foi mesmo a chancela de Mel Brooks, a mesma que reconheci na hilariante série Agente 86. Quando saí, demorei um bom tempo até parar de rir. Havia sido contaminado por um tipo de humor elaborado, produzido de olho nos detalhes. Um humor refinado, trabalhado em palavras, mas também em imagens.
        Imagino que Gene Wilder e Mel Brooks devem ter se divertido muito enquanto escreviam o roteiro de Jovem Frankenstein. Seguiram a trilha aberta pela escritora Mary Shelley, que imortalizou o personagem do cientista brincando de Deus, mas não ficaram no terreno da paródia. Foram além, inventando ótimas piadas pelo caminho. Comparada com as comédias atuais, pode parecer ingênua, mas percebe-se nela a gênese do que acabou conhecido como gênero “terrir”. A diferença é que aqui rimos com classe e propriedade!
        Jovem Frankenstein conta a história do Doutor Frederick Franconstin – na verdade o neto do famigerado cientista, que renega o sobrenome do avô por pura vergonha do seu legado. Quando descobre que tem direito a uma polpuda herança, decide ir à Transilvânia para tomar posse dela. Porém, isso o obriga a uma imersão no mundo dos Frankenstein, quando descobre as anotações e os aparatos criados por seu avô. Movido pela curiosidade científica – e depois por ambições mais... mundanas – acaba repetindo as experiências, criando um monstro que vai aterrorizar a comunidade.
        Frederick contará com a ajuda de Igor, o assistente de olhos esbugalhados e corcunda interpretado por Marty Feldman, mais terá que lidar com as interferências de Frau Blücher, vivida por Cloris Leachman e da sua noiva Elizabeth, na pele de Madeleine Kahn. Completando o elenco impagável temos Peter Boyle, no papel de monstro. Ah, e fazendo uma ponta como um cego ermitão temos ninguém menos do que Gene Hackman!
        Gene Wilder conta que a ideia para o filme Jovem Frankenstein partiu dele, quando estava de férias. Escreveu duas páginas tentando imaginar o que faria se descobrisse que era neto de Victor Frankenstein e tivesse que ir à Transilvânia tomar posse da herança. Mostrou a Melo Brooks, mas não o convenceu de imediato. Depois que os executivos do estúdio deram sinal verde, os dois escreveram juntos o roteiro, numa parceria afinadíssima.
        Quem fincou o pé na ideia de fazer um filme em branco e preto, para replicar a atmosfera dos clássicos do terror, foi Mel Brooks. Ele lembra ainda que, depois de alguns testes de audiência, precisou cortar várias piadas que não entraram no corte final do filme. O resultado foi essa comédia original e divertida, que ainda hoje funciona muito bem. É sempre bom rever!

Filme: Jovem Frankenstein


Data de produção: 1974
Direção: Mel Brooks
Roteiro: Mel Brooks e Gene Wilder
Elenco: Gene Wilder, Peter Boyle, Marty Feldman, Madeleine Kahn, Cloris Leachman, Teri Garr, Kenneth Mars, Richard Haydn, Liam Dunn, Danny Goldman e Gene Hackman

Comentários

Leia também:

Siga a Crônica de Cinema