O Ilusionista: misturando drama de época com thriller de mistério


O Ilusionista: filme dirigido por Neil Burger

CINEMA E MAGIA JÁ ESTÃO JUNTOS FAZ TEMPO, MAS NESSE FILME, SE CASARAM!

Antes do cinema havia a... prestidigitação! Também havia o amor proibido pela diferença de classes, o alvoroço em torno da manifestação dos espíritos, as intrigas palacianas e as investigações policiais. Neil Burger juntou tudo isso em O Ilusionista, filme de 2006 estrelado por Edward Norton, Jessica Biel e Paul Giamatti. Partindo de um conto de Steven Millhauser, o diretor escreveu um roteiro recheado de mistérios e fez cinema inspirado no mundo da mágica.
        Eis aqui um diretor que tem muitos truques na manga! Neil Burger realizou um filme de época, elegante e com certo charme nostálgico. Ao nos mostrar Edward Norton subindo ao palco para realizar proezas mágicas, ele remonta ao próprio nascimento do cinema. Com cenários e locações bem escolhidos, uma fotografia planejada para acentuar o tom de mistério e a música de Philip Glass, consegue mexer com nosso imaginário.
        O Ilusionista conta a história de Eduard Abramovich, mais conhecido como Herr Eisenheim (Edward Norton), acusado de magia negra por invocar espíritos na Viena de 1900. Ele acaba de retornar à cidade para lotar o teatro numa turnê de sucesso e também para reencontrar seu amor de infância, a Duquesa Sophie von Teschen (Jessica Biel), de quem esteve separado por um intransponível abismo social. Para complicar, ela agora está noiva do príncipe-herdeiro Leopold (Rufus Sewell). Mas Herr Eisenheim tem habilidades mágicas e as usará num plano arriscado para conquistar sua amada. Para ter sucesso, ele precisará driblar o inspetor-chefe Walter Uhl (Paul Giamatti), colocado na sua cola pelo seu poderoso rival com a missão de desmascará-lo.
        O conto intitulado Eisenheim, o Ilusionista, publicado em 1990 pelo escritor americano Steven Millhauser, tem cerca de vinte páginas. Neil Burger encontrou nele uma ideia envolvente e capaz de evocar belas imagens, mas que precisava ser desenvolvida para virar filme. O motor da história, um mágico preso por embaralhar as noções de realidade, espiritualidade e arte, apesar de ensejar questões filosóficas e intelectuais, carecia de profundidade emocional para conduzir um filme ao seu clímax. O diretor resolveu isso adicionando os personagens Sophie e Leopold, para estabelecer um triângulo amoroso com Herr Eisenheim.
        Burger também expandiu a presença do inspetor Uhl, fazendo dele o narrador do seu filme e deixando que o espectador viva a história a partir do seu ponto de vista. É ele quem nos apresenta a um Eisenheim envolto em mistérios, que talvez tenha poderes sobrenaturais de fato – ou talvez tudo não passe de truques! Para dar credibilidade e sustentação à expansão dramática que criou, o diretor empreendeu uma minuciosa pesquisa sobre a Áustria, sua família Real e o dia-a-dia de uma Viena fervilhante naquela virada de século.
        A cuidadosa concepção visual, marca registrada do diretor, é um elemento-chave em O Ilusionista. Temos aqui um filme que em alguns momentos espertamente se aproxima da estética dos filmes mudos e remonta à linguagem experimental das produções de George Meliès – esse sim o verdadeiro ilusionista do cinema. Mas essa homenagem fica apenas no plano da insinuação, pois Neil Burger não desvia o foco da sua história principal.
        Há, porém, um outro elemento que coloca O Ilusionista na lista de filmes que merecem a atenção dos cinéfilos: a trilha sonora assinada por Philip Glass. Sua música tensa e obsessiva intensificou o clima de mistério e a atmosfera mística que envolve o personagem. Ajudou a contar essa história, que mistura drama de época com o senso de urgência de um thriller de suspense. Além da ótima atuação de Edward Norton, temos a estampa vistosa de Jessica Biel ofuscando a tela e o auxílio luxuoso de Paul Giamatti como coadjuvante. Vale a pena conferir!


Filme: O Ilusionista

Data de produção: 2006
Direção: Neil Burger
Roteiro: Neil Burger
Elenco: Edward Norton, Aaron Johnson, Paul Giamatti, Jessica Biel, Rufus Sewell, Eddie Marsan, Jake Wood e Eleanor Tomlinson

Comentários

Leia também:

Siga a Crônica de Cinema