Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Cena do filme Encontro  Marcado
Encontro Marcado: direção de Martin Brest

SE TIVESSE MAIS COMÉDIA, SERIA MELHOR

O que poderia dar errado? Você tem dois atores no auge da popularidade, que atuaram juntos em 1994 no sucesso Lendas da Paixão. Você tem um diretor festejado em Hollywood, que contabilizou em 1992 o estrondoso sucesso comercial chamado Perfume de Mulher. Você tem uma história charmosa, filmada e testada pela primeira vez em 1934, com o título de Uma Sombra que PassaDeath Takes a Holiday, no original. Você tem um certo verniz de dramaturgia, que marcou o teatro com a peça La Morte in Vacanza, escrita em 1923 pelo italiano Alberto Casella. Mas esse histórico de sucesso de nada adiantou quando Encontro Marcado, filme de Martin Brest, foi lançado em 1998: o ceifador cobrou seu preço nas bilheterias e o diretor ficou em maus lençóis com os executivos do estúdio – estourou cronogramas, foi além do orçamento e entregou um filme excessivamente longo, que desagradou a audiência e os exibidores.
        Passados todos esses anos, Encontro Marcado encontrou seu lugar de descanso nas TVs por assinatura e nos serviços de streaming. Esse drama fantasioso, com doses generosas de romantismo, consegue bons índices de audiência, garantidos por cinéfilos dispostos a acompanhar suas três horas de duração, desde que seja no conforto do lar. O filme traz acertos pontuais: uma interpretação segura de Anthony Hopkins, o visual impecável de Brad Pitt, o charme discreto de Claire Forlani e a celebração do luxo e da elegância, ao nos deixar bisbilhotar o mundo dos riquíssimos. Mas tropeça em defeitos: uma abordagem excessivamente dramática, ao distanciar o enredo da sua vocação de comédia romântica, um roteiro despreocupado em estabelecer linhas de diálogo inteligentes, personagens estereotipados, tratados com superficialidade, ritmo arrastado e... uma hora a mais de enrolação! Ao menos a sinopse do filme pode ser posta com objetividade. Vamos a ela:
        Encontro Marcado conta a história de William Parrish (Anthony Hopkins), um magnata das comunicações ocupado demais em usufruir com gosto o poder e a influência que conquistou. Mas eis que Joe Black (Brad Pitt) aparece em sua porta para anunciar que o fim chegou. Trata-se da personificação da morte, vinda ao mundo na pele de um desafortunado, que morreu atropelado. O ceifador, agora com estampa de galã de cinema, traz uma proposta curiosa: deseja conhecer o mundo dos homens e aprender o que é a vida – seu exato oposto. Para isso, precisa de um cicerone e o multimilionário Parrish foi o escolhido. Terá alguns dias a mais de vida, até completar seus 65 anos de idade, desde que se disponha a guiá-lo pelo seu mundo – que não é propriamente o mundo dos cidadãos comuns. Mas, enfim, o Magnata não está em posição de recusar nada. Enquanto assiste ao ceifador se deliciar com o exercício da sensualidade, percebe que ele se apaixonou por sua filha, Susan (Claire Forlani), uma médica devotada. Agora, posando de Joe Black, a morte só pensa em voltar para a eternidade, levando junto sua amada.
        A peça escrita por Alberto Casella já tinha formato cinematográfico. Em três atos, conta como a morte decide tirar merecidas férias e encarna o corpo do adoentado Príncipe Sirki de Vitalba Alexandri. Passa três dias acompanhando o Duque de Lambert em busca de experiências, mas acaba se apaixonando pela mulher que estava prestes a se casar com o filho do príncipe. Então, a morte decide encerrar as férias e acaba levando sua amada consigo. Depois de fazer sucesso na Itália, a peça conquistou os anglo-saxões, ganhando encenações nos Estados Unidos e na Inglaterra, até virar filme em Hollywood. O diretor Martin Brest percebeu a oportunidade de realizar um remake já nos anos 1980, mas só recebeu sinal verde para produzi-lo em 1996. E agarrou o controle criativo com unhas e dentes. O corte final de Encontro Marcado chegou aos cinemas conforme ele havia decidido, sem concessões aos interesses comerciais do estúdio.
        O personagem Joe Black encenado por Brad Pitt carece de qualquer profundidade. Não está disposto a perder tempo com partidas de xadrez – prefere pasta de amendoim! Fala em voz baixa, mais interessado em seduzir o espectador do que interagir com os humanos que conhece. Justificável, já que tirando o milionário William Parrish, nenhum deles é retratado além das camadas mais epidérmicas – a culpa certamente foi do time de roteiristas, com a conivência do diretor. Assistindo ao filme recentemente, pela primeira vez, concluí que Brad Pitt merece ser absolvido. Fez na época o que precisava ser feito, já que estava sendo pago para exercer a função de galã. Hoje, talvez, não seria criticado se tivesse recusado o papel.
        Outro pensamento que me ocorreu foi mais provocativo: e se o diretor tivesse escalado para desempenhar o papel de ceifador um ator mais multifacetado, como... Johnny Depp? Seria um filme melhor! Desde que Martin Brest fosse mais enxuto, assumindo o tom de comédia romântica e exigindo mais apuro literário por parte dos roteiristas.

Resenha crítica do filme Encontro Marcado

Título original: Meet Joe Black
Ano de produção: 1998
Direção: Martin Brest
Roteiro: Bo Goldman, Kevin Wade, Ron Osborn e Jeff Reno
Elenco: Brad Pitt, Anthony Hopkins, Claire Forlani, Jake Weber, Marcia Gay Harden, Jeffrey Tambor, Lois Kelly, David S. Howard, Marylouise Burke, June Squibb e Stephen Adly Guirgis

Comentários

  1. Achei este filme um porre.

    ResponderExcluir
  2. Tinha tudo para ser ótimo, mais ainda sim é um bom filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é um bom filme, tanto que continua conquistando público ao longo dos anos.

      Excluir
  3. Não entendi o final

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O milionário Willian Parrish mostrou que é mesmo bom de negociação. Conseguiu convencer a Morte de que não teria serventia levar sua filha - apaixonar-se por ela não passava de uma futilidade diante da sua jornada pela eternidade. A morte então concordou em levar apenas o milionário, trazendo de volta à vida o pobre rapaz que havia lhe "emprestado" o corpo durante os seus dias de experiência na vida terrena.

      Excluir
  4. Não entendi uma coisa do final, se quem volta ao corpo é o rapaz do café, então a filha do Ropkins entende que ela estava se relacionando com a morte ? Pq ela diz, você adoraria conhecer meu pai ?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a morte se revela para ela, depois de ter sido convencida pelo pai da moça. A garota olha a morte nos olhos e só enxerga o... nada!

      Excluir
  5. Finalmente achei uma discussão legal.
    Custei entender o final e achei forçado a forma q foi colocado mas filme d drama e alguns de terror, de psicopata como "onde os fracos nao tem vez" tem dessas coisas d aceitar a morte na frente como se fosse nada, sem reagir, d bom grado rs.

    Apesar do pai consola-la antes de partir, ela jamais iria imaginar q ele fosse morrer ali já, na propria festa d aniversário, nada dava a entender por morte oras..??

    Pouco antes, no abraço com Joe, ele pergunta pra ela (desafiado pelo pai a se revelar) quem ele é pra ver se ela tinha noção, ela demora pensa e diz q ele é o Joe e nada deixa claro q ela sacou q ele era a morte ou algo ruim, mas apenas q ele iria embora e ele fica até aliviado por ela dizer o nome dele.

    Confuso tbem eu acho lá na ponte qdo Joe retorna sozinho (a filha vê o pai sumindo e nao perguntar por ele foi falha do roteiro! é filha amada filme q exalta o amor , amor ali aqui a outra filha ama o pai, o filme inteiro no amor e ela nem pergunta kd o pai??)

    fiquei me perguntando um bom tempo nessa cena da ponte se ela tinha perdido a memoria ou se algo limpou a mente dela, pela frase dela: "gostaria que você pudesse ter conhecido meu pai" ele responde : eu tbem.. ate q entendi: perceba que ela fica pasmen por um instante exatmt qdo ele fala com ela já de outra forma sem o deus da morte o possuindo.

    Significa que ela percebeu que ali naquele momento ele era outra pessoa , o cara do café.

    Ela percebe q ele nao sabia de nada que aconteceu.. mas nao falar do pai no final foi falho, nem que fosse uma conformação tipo "sei que ele vai ficar bem".. minha opiniao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, você toca num ponto pertinente. Na tentativa de encontrar um final feliz, fazendo com que a morte desistisse de levar a mocinha do filme, os realizadores se afastaram dos personagens. Ignoraram o relacionamento entre pai e filha e preferiram trazer de volta o galã estereotipado. Perderam a oportunidade de mergulhar mais fundo no drama.

      Excluir
  6. Já vi esse filme milhares de vezes e amo! Mas um ponto que sempre me deixou intrigada... Se a morte usou o corpo do rapaz do café, como é possível se ele sofreu o acidente brutal e aparece intacto depois como Joe? O final também não fica claro se o pai teve um infarto ou o que...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, os roteiristas estão sempre lançando mão das licenças poéticas. Por certo acreditam que nós, os espectadores, também faremos o mesmo, usando a imaginação!

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Siga a Crônica de Cinema