O Dilema das Redes: propaganda disfarçada de documentário

Cena do filme O Dilema das Redes
Dilema das Redes: filme dirigido por Jeff Orlowsky

NÃO PASSA DE UMA PEÇA DE PROPAGANDA A FAVOR DA REGULAMENTAÇÃO DAS REDES SOCIAIS

As grandes corporações da mídia perderam poder com o advento da internet. O que fazem agora? Dizem que as redes sociais são “malvadas”, para inventar meios de controlá-las. Querem que tudo volte a ser como antes: apenas o consórcio formado pela imprensa, a grande mídia e os políticos fazendo a cabeça do povo. O Dilema das Redes, filme de 2020 dirigido por Jeff Orlowski é uma peça de propaganda arquitetada para acabar com a liberdade na internet.
        A mídia manipulando jovens para influenciar seus hábitos não é novidade. Desde que Gutemberg inventou a imprensa jamais tivemos paz. A diferença é que agora há uma inteligência artificial capaz de refinamentos inimagináveis. Somos bombardeados por mensagens sedutoras? Sim! Mas temos uma liberdade de escolha sem paralelos com outras épocas. Lemos, assistimos, escutamos e interagimos com a informação de forma rápida e diversificada, sem que haja caciques dizendo o que é melhor para nós.
        Por meio das redes sociais as pessoas comuns se apropriaram de uma bela fatia da indústria cultural. Mas as grandes corporações da mídia querem evitar a concorrência, dificultando o ingresso de novos players nesse mercado. Paradoxalmente, são contra a liberdade de expressão. Desejam regular a internet e as redes sociais, impondo barreiras econômicas e exigências legais que apenas as corporações alinhadas com o estado são capazes de cumprir. Para que tudo permaneça sob seu controle, encontraram uma solução: criar peças publicitárias disfarçadas de conteúdo cultural para nos convencer que a liberdade é ruim. Que nós e nossos filhos - coitadinhos - somos tão idiotas e vulneráveis que não sabemos o que fazer com a liberdade que conquistamos.
        O Dilema das Redes, documentário que a Netflix acaba de lançar, só tem um objetivo: dizer que a internet precisa ser controlada - o eufemismo que usam é “regulamentada”. Por meio de depoimentos e entrevistas com supostas autoridades, o filme mostra apenas um lado da questão. Jamais abre o tema para discussão e nos impõe um falso dilema, como se fosse preciso acabar com a liberdade que impera nas redes para sermos donos dos nossos próprios narizes!

Resenha crítica do filme O Dilema das Redes

Data de produção: 2020
Direção: Jeff Orlowsky
Roteiro: Jeff Orlowisky
Elenco: Skyler Gisondo, Kara Hayward e Vincent Kartheiser

Comentários

  1. Que liberdade tem na Internet?

    ResponderExcluir
  2. As redes tem que ser regulamentadas sim. Toda atividade econômica tem regulamentação. Pq as redes não? Que pena que você, homem da comunicação, tenha essa leitura que "regulamentação" é eufemismo para "controle". Não é. Admiro seu trabalho, mas aqui você errou feio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A regulamentação comercial pode muito bem ser feita pela legislação que já está estabelecida, com aperfeiçoamentos pontuais. Os excessos e desvios podem ser punidos de acordo com o código penal. Mas a sanha controladora dos autoritários é para policiar o conteúdo. É para censurar! Estabelecer o que é possível ser dito. Não admitem que a praça pública seja livre - como o céu é do avião!

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema