O Impossível: a história verdadeira da família de María Belon


O Impossível: filme de Juan Antonio Bayona

NÃO BASTA PRECISÃO CÊNICA. PARA CRIAR REALISMO É PRECISO EXTRAIR EMOÇÃO

Quando a costa da Tailândia foi arrasada por um tsunami, no Natal de 2004, as imagens da destruição entulharam nossas televisões e inundaram de tristeza as comemorações de final de ano em todo o mundo. Foram mais de 230 mil vítimas fatais e uma quantidade inimaginável de feridos – física e emocionalmente. As narrativas do desastre ocuparam espaço em toda a mídia, sempre numa abordagem jornalística. Reportagens, mesmo as que elevam o tom para entrar na disputa pela audiência, costumam priorizar o conteúdo informativo, mostrando respeito para com os que sofreram perdas. Mas o cinema, com sua vocação para a dramatização, está mais interessado na emoção, na dor, no sofrimento... Quando decidi assistir ao filme O Impossível, dirigido em 2012 pelo espanhol Juan Antonio Bayona, tive receio de tropeçar em mais uma produção apelativa do gênero catástrofe, recheada de efeitos especiais realistas, planejados para chocar.
        Não é nada disso! O filme foge dos padrões e não abre espaço para o desfile de personagens desconectados uns dos outros, só para criar suspense antes do desastre. Também não há tramas paralelas de heróis socorristas se esforçando para salvar quantas vidas puderem. Baseado na história real da médica Maria Belón, O Impossível se detém no drama da família que, ao contrário de todas as expectativas, conseguiu sobreviver àquela tragédia.
        O título já é um spoiler. Quando uma família é colhida por uma tragédia tão devastadora, é de se imaginar que alguns não sobrevirão, mas não é assim. Aqui, o impossível acontece. O filme mostra María Belón (Naomi Watts) e seu marido Henry (Ewan McGregor) chegando com os filhos Lucas (Tom Holland), Thomas (Samuel Joslin) e Simon (Oaklee Pendergast) para passar as férias na Tailândia. Instalam-se num agradável hotel e aproveitam as festas de final de ano no descontraído clima tropical. De repente, sem mais, o tsunami chega rosnando, monstruoso. Sem previsão, sem explicações, sem chances de defesa. María luta para não se afogar, mas sai gravemente ferida pelos entulhos. Por obra do que ela só consegue definir como um milagre, encontra o filho Lucas e os dois se agarram à tarefa de ajudar-se mutuamente. Não sabem se sobreviver foi sorte ou sina. E pior, a julgar pelo mar de destroços e cadáveres ao redor, perdem a esperança de reencontrar os outros membros da família.
        A história verídica de Mária Belon foi amplamente divulgada e o diretor Juan Antonio Bayona percebeu a oportunidade de levá-la para além do discurso documental. Fez o espectador mergulhar no caldo de choque e perplexidade, para confrontar primeiro a dor, o desespero, o sacrifício e o sentimento de perda, para só depois encontrar esperança, alívio, alegria e gratidão. Pelos olhos dos personagens, temos a possibilidade de compreender o que se passou com aquela família – tão comum que bem poderia ser a nossa! – submetida a circunstâncias que apenas fizeram escancarar a fragilidade da condição humana.
        Na plateia de O Impossível, você pode projetar sua condição de mãe, pai, filho, irmão, avó, amigo... A nacionalidade dos personagens não importa, nem seu padrão de vida ou sua bagagem cultural. Você apenas segue os fatos como eles aconteceram, num ritmo frenético e eletrizante de tensão e alívio estabelecido pelo roteirista Sergio G. Sanchez. Ele trabalhou diretamente com María Belón e os demais membros da família, colhendo relatos detalhados e minuciosos. Também conversou com outros sobreviventes, parentes das vítimas e voluntários, para construir um painel realista, não só em termos factuais, mas principalmente emocionais.
        A verossimilhança emocional é a grande força de O Impossível, mas não a única. O realismo que o diretor trouxe para a tela é impressionante, resultado de um excelente trabalho técnico e artesanal. As cenas da onda gigante, que duram pouco mais de dez minutos, demandaram um ano do planejamento. Há poucos efeitos digitais de pós-produção e muito esforço durante as filmagens. Além da direção segura de Juan Antonio Bayona, é preciso registrar as ótimas interpretações de Naomi Watts, Ewan McGregor e do garoto Tom Holland, que já revelava seu potencial de grande astro do cinema. Vale a pena conferir!


Filme: O Impossível


Data de produção: 2012
Direção: Juan Antonio Bayona
Roteiro: Sergio G. Sanchez
Elenco: Naomi Watts, Tom Holland, Ewan McGregor, Samuel Joslin, Oaklee Pendergast, Sönke Möhring, Geraldine Chaplin e Emilio Riccardi

Comentários

Leia também:

Siga a Crônica de Cinema