O Gambito da Rainha: a jogada é deixar o xadrez apenas como pano de fundo

Cena da minissérie O Gambito da Rainha
O Gambito da Rainha: série dirigida por Scott Frank

COMO NAS PÁGINAS DE UM ROMANCE, SETE CAPÍTULOS ENVOLVENTES

Disponível na Netflix, a minissérie O Gambito da Rainha tem sete episódios e é uma joia preciosa para quem gosta de uma boa história bem contada. Baseada no romance escrito em 1983 por Walter Tevis, narra a trajetória de Beth Harmon, uma fictícia enxadrista americana que ficou órfã aos nove anos, mas chegou ao topo no circuito dos campeonatos E conquistou fama e fortuna. Acompanhamos sua chegada ao orfanato, seus primeiros contatos com o xadrez, suas primeiras vitórias, sua imersão no mundo dos campeonatos, seu desenvolvimento incrível e suas conquistas espetaculares, sempre respirando a inconfundível atmosfera dos anos 1960.
        Não, em O Gambito da Rainha, o xadrez – esporte minucioso, enfadonho e incompreensível para a maioria dos espectadores – não é o foco. É tratado apenas como pano de fundo. Carência afetiva, controle emocional, tenacidade, atitude competitiva, presença de espírito, capacidade intelectual, dificuldades com relacionamentos, processo de amadurecimento... Essas, sim, são as matérias-primas tratadas com habilidade nessa obra de ficção, que nos apresenta uma protagonista forte e magnética, cercada de personagens interessantes e bem desenvolvidos.
        O formato de minissérie é perfeito para O Gambito da Rainha. Há espaço para descrever em detalhes a essência e o percurso de cada personagem, mantendo a densidade dramática e as minúcias narrativas, como nas páginas de um romance. O roteiro, assinado por Scott Frank e Allan Scott é bem arquitetado. Eles sabem lidar com os silêncios tão bem quanto com as falas, o que impõe um ritmo ágil e permite criar uma atmosfera de mistério e expectativa, que fica ainda mais espessa com a trilha sonora assinada por Carlos Rafael Rivera.
        A direção de arte merece destaque. Os cenários e os figurinos de época são de encher os olhos e o universo visual do xadrez é usado com criatividade. As partidas tensas e quase sempre dramáticas são narradas por meio de closes nos competidores, nas suas expressões e reações. As peças e sua disposição no tabuleiro interessam pouco. Aparecem sempre em lances rápidos.
        O elenco jovem e cativante, encabeçado por Anya Taylor-Joy – estrela de sucesso no universo das séries de TV – é outro grande trunfo de 
O Gambito da Rainha. A atriz mirim Isla Johnston, que interpreta a enxadrista na infância, ocupa importante espaço na trama e se sai muito bem. Ao longo dos sete episódios vemos os personagens se comportando como na vida real: indo por uns tempos, voltando para interferir e surpreender.
        Beth Harmon passa por poucas e boas. É fria, calculista e assustadoramente robótica, mas tem talento e bom caráter. É segura e ambiciosa, mas é carente e desengonçada no trato social. É inteligente e forte para lidar com o machismo reinante, mas vulnerável às tentações e aos vícios da geração drugs, sex and rock’n roll. Torcemos por ela e vibramos com suas vitórias, mas ficamos ansiosos para saber quando ela vai finalmente... amadurecer!
        É disso que se trata a vida: amadurecimento. Talento e competência nas mãos de imaturos trazem resultados imprevistos e explosivos – e por vezes espetaculares. Maturidade, por outro lado, não é garantia de sucesso. O medo de água fria pode deixar sem ação os gatos escaldados.
        De novo, minhas divagações me levam ao óbvio: amadurecimento é um processo conduzido pelo autoconhecimento. E o único jeito de saber mais sobre nós mesmos é... vivendo. Experimentando as situações e percebendo de que forma reagimos a elas. Encarando as disputas e aceitando jogar xadrez com a...vida! Sim, caro cinéfilo, agora estou me referindo àquela outra partida de xadrez, disputada por Max von Sydow em O Sétimo Selo, filme de Ingmar Bergman. Mas isso é conversa para uma próxima crônica!

Resenha crítica da minissérie O Gambito da Rainha

Ano de produção: 2020
Diretor: Scott Frank
Roteiro: Scott Frank e Allan Scott
Elenco: Anya Taylor-Joy, Isla Johnston, Thomas Brodie-Sangster, Harry Melling, Jacob Fortune-Lloyd, Matthew Dennis Lewis e Akemnji Ndifornyen

Comentários

  1. Minisérie sensacional!!!Vc não precisa saber ou gostar de xadrez a serie foca na personagem principal e nas situações vivenciadas por ela.
    Atuações brilhantes, cenário, figurino e roteiro impecáveis!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, mesmo!!!! Série envolvente e muito inteligente.

      Excluir
  2. Minisérie sensacional!!!Vc não precisa saber ou gostar de xadrez a serie foca na personagem principal e nas situações vivenciadas por ela.
    Atuações brilhantes, cenário, figurino e roteiro impecáveis!!!

    ResponderExcluir
  3. Amei esta série. Amei o figurino, amei a personagem cheia de personalidade desde a infância. O lado sensual da série também mexe com a gente apesar dos poucos gestos e olhares. Ameeeeeeeeeiiii 👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  4. Realmente envolvente , muito boa a analogia da complexidade do jogo de xadrez e o jogo da vida . O amadurecimento , o crescimento adquirido a cada vitória e a cada derrota . E o xadrez do Sétimo Selo é sensacional ,desafiar a morte , sinto que isso às vezes acontece , principalmente num mundo que coisas são mais importantes que pessoas , se faz seguro da casa , do carro , do celular , mas não se faz seguro de vida por exemplo ...
    Como não amar Ingmar Bergman.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Paula, essas divagações em torno do jogo de xadrez sempre acabam indo longe!!!! E você lembrou bem: preciso parar e pensar sobre os filmes do Bergman e tentar achar alguma abordagem para algum comentário.

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema