A Escavação: fala de arqueologia e de personagens interessantes

A Escavação: filme dirigido por Simon Stone

DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS NA SUPERFÍCIE E PERSONAGENS TRATADOS COM PROFUNDIDADE

O bom de escrever um blog sobre cinema – não para posar de crítico, mas para revirar as emoções evocadas pelos filmes – é que sempre há boas indicações chegando pela caixa de mensagens. Desta vez a dica que recebi foi para conferir o filme A Escavação, de 2021, dirigido por Simon Stone. Recém-lançada pela Netflix, esta produção traz no elenco os nomes de Ralph Fiennes e Carey Mulligan e se destaca como uma das melhores surpresas desse começo de ano.
        A Escavação conta a história de como a viúva Edith Pretty, apaixonada por arqueologia, contrata Basil Brown para escavar alguns montes de terra no terreno da sua mansão em Suffolk, na Inglaterra, onde suspeita que poderá encontrar antiguidades com algum valor histórico. Estão em 1939, às portas da Segunda Guerra Mundial. O escavador não tem estofo acadêmico, mas sua vasta experiência o leva a uma importante descoberta, que deixa o mundo da arqueologia em polvorosa.
        Não, A Escavação não é um filme comprometido em revelar a história real de Basil Brown – e de como foi injustiçado por não ter recebido méritos pelo que descobriu. Aliás, nem é preciso saber que se tratam de fatos verídicos para se envolver emocionalmente. O que temos aqui é uma história que nos convida a não ficar só na superfície, mas sim a escavar em profundidade até as almas dos seus personagens.
        O escavador vivido com brilhantismo por Ralph Fiennes é um sujeito introvertido e solitário. Vive para a profissão. A viúva interpretada por Carey Mulligan tem dinheiro e determinação. Tem também uma saúde frágil e um filho ainda garoto. Por todo o primeiro ato são esses dois personagens, caracterizados com enorme competência, que dominam a tela. Somos levados a suspeitar, pelos gestos sutis e pelos olhares furtivos, que um romance bem ao estilo britânico acabará acontecendo. Porém, na medida em que outros personagens vão entrando em cena, trazendo seus próprios dramas paralelos, o roteiro ganha amplitude e se concentra nos desdobramentos da descoberta arqueológica.
        O filme é sobre personagens interessantes, às voltas com uma realização de grande significado para as futuras gerações, mas que precisam viver seus relacionamentos. Fala de amor, de morte, de perdas... Fala do tempo, da urgência em viver a vida e do medo do desconhecido. A guerra que se anuncia vem para esmagar as esperanças e plantar a certeza de que o pior está para acontecer. Praticando arqueologia, os personagens podem deduzir como era a vida no passado, mas não têm a menor ideia de como será no futuro.
        O diretor australiano Simon Stone soube criar uma atmosfera poética e envolvente, ancorando sua narrativa na força das imagens fotografadas por Mike Eley. Sua direção delicada se atém às sutilizas das caracterizações e aos pequenos detalhes de cada personagem. E o seu senso de ritmo trouxe muita personalidade ao filme. Nisso ele contou com a excelente trilha sonora assinada por Stefan Gregory – estreando na composição para o cinema.
        Para filmar o roteiro escrito por Moira Buffini, baseado no romance The Dig, de John Preston, o diretor experimentou alguns recursos narrativos não muito usuais. Pequenos saltos temporais subtraem algumas passagens de certas cenas, deixando-as mais concisas e sintéticas. Alguns diálogos acontecem em off, enquanto a câmera registra os momentos de silêncio e introspecção dos personagens. Algumas passagens acontecem em flashback, embaralhando a noção de tempo. Tempo! Eis aqui a palavra-chave para se ter em mente enquanto assistimos ao filme A Escavação.
        Um a um os personagens vão se confrontando com o tempo, ora para tentar enfrentá-lo, ora para se render a ele. Mil anos e alguns poucos segundos são feitos da mesma matéria-prima e precisam ser escavados com o mesmo empenho, na tentativa de encontrar vestígios que possam revelar quem nós realmente somos.



Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.



Filme: A Escavação


Ano de produção: 2021
Direção: Simon Stone
Roteiro: Moira Buffini
Elenco: Ralph Fiennes, Carey Mulligan, Lily James, Johnny Flynn e Ben Chaplin

Comentários

Leia também:

Junte-se aos seguidores da Crônica de Cinema