O Último Rei da Escócia: inspirado em fatos reais

O Último Rei da Escócia: filme dirigido por Kevin Macdonald

FICÇÃO E REALIDADE DESENHANDO O RETRATO VERDADEIRO DE UM DITADOR

Os fatos reais que inspiraram o romance escrito por Giles Foden, no qual este filme foi baseado, diz respeito aos atos de autoritarismo podre e monstruoso que marcaram o governo de Idi Amin Dada, o ditador que imperou absoluto em Uganda por toda a década de 1970. Já o personagem que serve de fio condutor para a narrativa, o médico escocês Nicholas Carrigan, é fictício, mas graças à arte de contar histórias, ganha uma aura de autenticidade que emana grande força dramática.
        O Último Rei da Escócia, filme de 2006 dirigido por Kevin Macdonald não é um filme denúncia sobre as injustiças e mazelas que insistem em se abater sobre o continente africano. Prefere falar sobre os tentáculos do poder e de como eles envolvem gente bem-intencionada, distraindo com benesses e seduzindo com falsas promessas. É o que acontece com o médico interpretado por James McAvoy, um aventureiro que se mete com trabalhos humanitários em Uganda, se torna íntimo do ditador vivido por Forest Whitaker e se envolve no seu abominável projeto de poder.
        Costurado para ir revelando aos poucos a personalidade e a face autoritária do ditador, o roteiro de Peter Morgan e Jeremy Brock também descreve todo a arco de transformações que o médico percorre, culminando no inevitável processo de amadurecimento e na necessidade de expiação de sua corrosiva culpa. O diretor Kevin Macdonald consegue criar uma densa atmosfera de suspense e imprimir tensão crescente que envolve o espectador do começo ao fim.
        Um Idi Amin megalômano e assustadoramente cínico, revestido com um algum verniz de humanidade, surge construído com desenvoltura por Forest Whitaker, fugindo das interpretações caricatas que vemos em outros filmes onde o personagem dá as caras. O excelente desempenho lhe valeu o Óscar de melhor ator. Quanto a James McAvoy, trouxe muita energia ao filme, além de um ímpeto juvenil que deu credibilidade ao seu personagem. A partir daí, tornou-se conhecido do grande público.
        Idi Amin se auto-intitulava O Último Rei da Escócia, título que assumiu para si depois de tomar o poder em Uganda, por considerar-se um conquistador do Império Britânico. As estimativas são de que o número de assassinatos cometidos sob suas ordens tenha chegado às centenas de milhares. Realizar um filme sobre ele equivale a filmar uma história sobre Adolf Hitler: qualquer deslize pode ser interpretado como uma tentativa de “humanizar” o personagem. O diretor Kevin Macdonald deu conta do recado, deixando claro que há um abismo entre a autoimagem do ditador e o legado de horror que deixou para os livros de história.



Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.



Filme: O Último Rei da Escócia


Ano de produção: 2006
Direção: Kevin Macdonald
Roteiro: Peter Morgan e Jeremy Brock
Elenco: Forest Whitaker, James McAvoy e Kerry Washington

Comentários

Leia também:

Junte-se aos seguidores da Crônica de Cinema