Déjà Vu: thriller policial que mistura romance e viagem no tempo

Cena do filme Déjà Vu
Déjà Vu: filme dirigido por Tony Scott

UM GRANDE ROTEIRO NAS MÃOS DE REALIZADORES COMPETENTES

Todo mundo já experimentou a sensação: um lampejo de memória assume o comando da consciência e nos põe em dúvida acerca da realidade. Ficamos com um duplo registro, onde “já vivi essa situação anteriormente” passa a ocupar o mesmo espaço mental que “nunca vivi essa situação antes”. A impressão é a de que, a qualquer momento, estaremos diante da famigerada tela azul do Windows!
        Que experiência instigante é um déjà vu! Enseja especulações em diferentes campos, da psicologia à espiritualidade, passando pela física, química, biologia, até chegar na... ficção científica, quando essa expressão em francês ganha contornos mais divertidos. O filme Déjà Vu, realizado em 2006 por Tony Scott tem tudo para ser o perfeito exemplo daquilo que já vimos à exaustão no cinema: explosões, tiros, perseguições, vilões desalmados, policiais implacáveis, viagem no tempo... Mas espere! Há vários elementos de originalidade, usados com criatividade e costurados com tamanha precisão, que sequestram a atenção do telespectador do começo ao fim. É uma obra-prima do entretenimento.
        O falecido diretor inglês Tony Scott, irmão mais novo de Ridley Scott, mostrou que também trazia no DNA o faro apurado para o sucesso. Dirigiu filmes como Top Gun – Ases IndomáveisInimigo de Estado e Chamas da Vingança, entre outros, que o consagraram como mestre do cinema de ação. Nesse Déjà Vu ele estabeleceu uma sólida parceria com Jerry Bruckheimer, o produtor de maior sucesso comercial na história do cinema e da TV. Filmaram um dos roteiros mais cobiçados que já circularam por Hollywood – foi comercializado pela bagatela de cinco milhões de dólares!
        Esse thriller incomum hipnotiza logo na primeira sequência, decupada com maestria e editada como uma verdadeira peça sinfônica. Alegres marinheiros em festa se misturam com passageiros tranquilos e ocupam uma das tradicionais barcas que atravessam o rio Mississipi, em Nova Orleans. O espectador sabe que algo de grave acontecerá e quando acontece, é estarrecedor. A barca explode, fazendo mais de 500 vítimas, numa cena impressionante. O motivo de tamanho impacto visual é simples: a explosão foi real, coordenada por John Frazier, o especialista em efeitos especiais que já venceu o Óscar e mostrou seu talento em filmes como Armageddon e Pearl Harbor. A barca que foi explodida voltou a operar normalmente alguns dias depois, mas o espectador, com as unhas cravadas no braço da poltrona, demora mais algumas cenas para se recuperar.
        Déjà Vu conta a história de Doug Carlin (Denzel Washington), investigador da ATF – a agência americana que controla o mercado de álcool, tabaco, armas de fogo e explosivos, destacado para descobrir as causas da explosão. Conclui que foi obra de terroristas. Conclui também que a bela Claire Kuchever (Paula Patton), cujo corpo foi encontrado uma hora antes da explosão, teve sua morte relacionada com o atentado. Quando o agente do FBI Paul Pryzwarra (Val Kilmer) o convoca para ajudar na força-tarefa que investiga o caso, Doug aceita de imediato, sem saber que os federais estão usando uma nova ferramenta investigativa, tão improvável quanto poderosa: um programa de computador que manipula imagens captadas quatro dias no passado e permite que os agentes vasculhem a cena do crime. Doug percebe que o mais produtivo é investigar a vida de Claire, para assim chegar aos autores do atentado. Percebe também que as imagens surpreendentes que está acompanhando não foram gravadas, mas estão sendo captadas diretamente do passado. O incrível portal do tempo que foi aberto só faz nutrir a paixão que ele sente pela bela garota e aumenta seu desejo de solucionar o caso. Seu esforço será para mudar o passado, na tentativa de salvar a vida de Claire e também das vítimas da explosão na barca.
        Déjà Vu foi a primeira produção rodada em Nova Orleans após a passagem do furacão Katrina, que devastou a cidade. Com os atentados de 11 de setembro ainda ardendo na memória dos americanos, seu enredo mexeu com temas sensíveis, mas trouxe uma mistura curiosa: romance, ficção científica, ação, suspense... O clima de realismo é desconcertante. Ainda que o aparato tecnológico proposto pelos roteiristas seja fantasioso, há verossimilhança nas decisões dos personagens e no desencadeamento das ações resultantes. Tudo o que o espectador aflito deseja é descobrir como os protagonistas conseguirão resolver o imbróglio no qual se meteram.
        Essa história foi criada pelo roteirista Terry Rossio – conhecido por seus trabalhos em filmes como Shrek e Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra. No seu esboço, um detetive volta no tempo para impedir o assassinato de sua namorada. Ele mostrou a ideia para o roteirista novato Bill Marsilii, que teve um insight: o protagonista deveria se apaixonar pela garota durante a sua autópsia e reconhecê-la como a mulher da sua vida enquanto investiga sua morte. Isso trouxe o elemento romântico para a história e ampliou a profundidade dos personagens. Os dois roteiristas realizaram um intenso trabalho colaborativo pela internet e entregaram um roteiro primoroso, que conquistou imediatamente o produtor Jerry Bruckheimer.
        Os realizadores contaram com a assessoria de Brian Greene, professor de física na Universidade da Columbia, que tratou de criar as explicações plausíveis sobre as traquitanas espaço-temporais, que os roteiristas souberam traduzir para o público em ótimas cenas expositivas. Também contrataram um agente da ATF de verdade, Jerry Rudden, que assessorou nos assuntos ligados às investigações do atentado e também serviu de base para que o carismático Denzel Washington caracterizasse seu personagem.
        Déjà Vu funciona como um relógio. O espectador jamais se perde e quando chega aos créditos finais, encontra sua recompensa: entretenimento de qualidade, criativo, original e emocionante. Vale a pena conferir!

Resenha crítica do filme Déjà Vu

Ano de produção: 2006
Direção: Tony Scott
Roteiro: Bill Marsilii e Terry Rossio
Elenco: Denzel Washington, Paula Patton, Jim Caviezel, Matt Craven, Adam Goldberg, Bruce Greenwood, Val Kilmer, Elden Henson e Erika Alexander 

Comentários

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema