The Sinner: série policial de suspense psicológico

Cena da série The Sinner
The Sinner: série desenvolvida por Derek Simonds

UM PERSONAGEM E SUA JORNADA

Quando a safra de bons filmes disponíveis nos serviços de streaming começa a se esgotar, lembro do óbvio: há uma grande quantidade de séries feitas para a TV, só esperando para serem descobertas. O problema é saber escolher. Odeio quando percebo, lá pelo segundo ou terceiro episódio, que o enredo é raso, que os personagens são estereotipados e que não haverá uma perspectiva clara para a resolução da história. Isso porque na maioria das séries, na medida em que a audiência vai definhando, os realizadores simplesmente cancelam futuras temporadas – ou pior, inventam um final capenga e frustrante. Como não quero correr esse risco, trato de trocar mensagens com a Julia. Minha filha sempre vem com boas sugestões e me garantiu que The Sinner, série desenvolvida por Derek Simonds em 2017, é imperdível. Conferi, adorei, maratonei as quatro temporadas e fiquei torcendo para que haja uma quinta.
        The Sinner é um drama policial de mistério, desenvolvido a partir de um romance com o mesmo título, escrito em 1999 pela alemã Petra Hammesfahr, autora de sucesso que já publicou mais de 40 romances policiais. Para adaptar seu livro, repleto de suspense psicológico, os produtores escolheram a abordagem inteligente de Derek Simonds, que comandou uma grande equipe de roteiristas e diretores. Originalmente, era para ser apenas uma minissérie com oito episódios, mas quando estreou, em agosto de 2017, obteve tanto sucesso que estenderam o projeto por mais três temporadas, totalizando 32 episódios, com aproximadamente 45 minutos de duração.
        O foco nos personagens, sempre densos, complexos e abarrotados de segredos, é o pulo do gato que permitiu estender o número de temporadas. Em cada uma delas assistimos ao detetive Harry Ambrose, interpretado com brilhantismo por Bill Pullman, tentando resolver os mistérios relacionados a um assassinato. Mas não espere a velha fórmula empregada nos romances do gênero whodunnit, onde o objetivo é descobrir quem é o assassino – como é o caso do filme Entre Facas e Segredos, que homenageia esse tipo de romance. The Sinner está mais para uma espécie de “whydunnit”, onde a curiosidade do espectador é canalizada para as motivações que provocaram o crime, claramente apresentado logo nas primeiras cenas.
        Na primeira temporada, Cora Tannetti (Jessica Biel) é uma típica mãe de família, que leva uma vida comum, embora irradie uma certa... infelicidade. Então, em menos de 15 minutos, a vemos cometer um crime brutal, numa praia lotada. Na frente de dezenas de testemunhas, ela esfaqueia um sujeito que não conhece, durante um surto inexplicável. O detetive Harry Ambrose é o sujeito obstinado, que nos conduzirá nessa busca por explicações.
        Na segunda temporada, lançada em setembro de 2018, o improvável assassino é um garoto de 13 anos chamado Julian Walker (Elisha Henig), que confessa ter envenenado um casal num quarto de hotel. Eles estavam a caminho das Cataratas do Niágara, no que era para ser apenas uma agradável viagem turística. Lá vem o detetive Harry Ambrose, para tentar descobrir o porquê, dessa vez se vendo obrigado a revirar as lembranças da sua própria infância.
        Na terceira temporada, lançada em março de 2020, o detetive Harry Ambrose investiga um acidente de carro. O motorista, Nick Haas (Chris Messina), morre no local do acidente. No banco do carona estava Jamie Burns (Matt Bomer), um ex-colega da faculdade. Examinando as evidências, logo fica claro que Burns poderia ter salvo o amigo, chamando uma ambulância, mas não o fez. Simplesmente deixou que morresse. Por que? Serão necessárias muitas revelações até que tudo se esclareça.
        Na quarta temporada, lançada em dezembro de 2021, o detetive Harry Ambrose está aposentado. Vai para uma ilha no Maine em busca de repouso, mas lá descobre que o mundo do crime continua na ativa. Ele testemunha o suicídio de Percy Muldoon (Alice Kremelberg), uma jovem angustiada que salta de um penhasco durante a madrugada. A poderosa família da garota, que domina a vida econômica da ilha, tenta a todo custo esconder os motivos de tanta angústia, mas não consegue conter a curiosidade obstinada do detetive.
        Os realizadores de The Sinner sabem lidar com o mistério. Não se trata de apenas criar uma atmosfera de suspense, insinuando que algo assombroso poderá acontecer a qualquer instante. É preciso garantir que as revelações e reviravoltas permaneçam coerentes com o enredo e que todos os personagens desenvolvam arcos verossímeis. Derek Simonds é o responsável por plantar a ideia geral da trama, apontando para qual direção a história deverá seguir. À equipe de roteiristas cabe o trabalho extenuante de elaborar os desdobramentos, sempre mantendo o foco nas decisões dos personagens, suas emoções e motivações.
        O grande acerto da série The Sinner foi o de ter encontrado no personagem Harry Ambrose um poderoso elo de ligação. O arco de transformação que ele percorre é acompanhado com interesse pelo espectador, que faz questão de seguir com ele em sua jornada investigativa. Cada crime que resolve é uma camada da sua personalidade que vem à tona. Ele não é o tipo de detetive infalível, dotado de talentos extraordinários e capacidades dedutivas para desvendar qualquer mistério. É um ser humano equipado com fraquezas e defeitos, que se depara o tempo todo com inesperados desafios, postos à sua frente para testar suas crenças e valores.
        Em quatro temporadas, The Sinner nos trouxe quatro ótimas histórias, muito bem contadas. Depois de 32 episódios, o que fica é a sensação de que fizemos um grande amigo. Acabamos por conhecer Herry Ambrose melhor e mais intimamente do que muitas pessoas de carne e osso, que eventualmente fazem parte do nosso convívio.

Resenha crítica da série The Sinner

Ano de produção: 2017 – 2021
Criação: Derek Simonds
Direção: Antonio Campos, Adam Bernstein, Tucker Gates, Brad Anderson, Cherien Dabis, Jody Lee Lipes, John David Coles, Radium Cheung, Derek Simonds, Andrew McCarthy, Batan Silva, Colin Bucksey, Rachel Goldberg, Haifaa Al-Mansour e Monica Raymund
Roteiro: Petra Hammesfahr, Derek Simonds, Nina Braddock, Piero S. Iberti, Samir Mehta, Ahmadu Garba, Mia Chung, Nisha Mehta, Jesse McKeown, Liz W. Garcia, Tom Pabst, Bradford Winters, Jonathan Caren, Ellen Fairey, Willie Reale, Hannah Shakespeare, Julie Siege, Gerald Cuesta, Kate Roche e Jenny Zhang
Elenco: Bill Pullman, Jessica Biel, Christopher Abbott, Dohn Norwood, Abby Miller, Carrie Coon, Natalie Paul, Hannah Gross, Elisha Henig, Tracy Letts, Jessica Hecht, Parisa Fitz-Henley, Eddie Martinez, Chris Messina, Matt Bomer, Alice Kremelberg, Michael Mosley, Frances Fisher, Cindy Cheung, Ronin Wong e Neal Huff

Comentários

  1. Super ansiosa para assistir logo. Muito obrigada, mais uma vez, pela crônica 🙏🏾❤️

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema