Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo: nada importa, nem o cinema!

Cena do filme Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo
Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo: direção de Daniel Kwan e Daniel Scheinert

É SÓ MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓIS PROTAGONIZADO POR GENTE COMUM

O humor anárquico e absurdo sempre foi um instrumento de demolição, usado sem piedade para estilhaçar o sistema e os poderosos da vez. Nas mãos de cineastas talentosos e criativos, o gênero costumava irradiar críticas para todas as direções, em estilo irônico e mordaz, escrachando zombarias que faziam pensar. Além de escarnecer, usando até mesmo os elementos mais mórbidos e macabros, o objetivo era desconcertar, desmascarar, encabular, tirar o espectador da zona de conforto, o fazendo duvidar das verdades que trazia consigo para a sala de cinema. Infelizmente, aqui, o humor anárquico e absurdo é usado para acomodar, acalmar os ímpetos contestadores, distrair... Em Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo, realizado em 2022 por Daniel Kwan e Daniel Scheinert, o maior esforço é para estabelecer três conceitos mentirosos:
        Conceito mentiroso 1: nada importa, realmente! – A frase é pronunciada diversas vezes. Num primeiro momento, achamos que é para justificar a enxurrada de besteiras e bobagens cômicas que virão pela frente, mas na medida em que a colagem narrativa vai se completando, para configurar o drama familiar costurado no enredo, percebemos que se trata de uma artimanha niilista. Os alvos são a moral, as tradições e as miudezas do dia-a-dia. Não importam os erros, nem os acertos. Não importam as decisões emocionais, nem as calculadas. Não importam os resultados. Na vastidão infinita do multiverso, apenas o não existir pode finalmente trazer alguma ordem. Por que se incomodar, então? Deixe de bobagem! Você jamais será o senhor do seu destino. Seja um espectador comportado e aprecie, de camarote, as maravilhas inusitadas que o sistema preparou para você.
        Conceito mentiroso 2: não devemos nos preocupar com a coerência! – Como desordem e bagunça são regra no multiverso e as contradições pipocam em todo lugar, ao mesmo tempo, é desnecessário encontrar relações de significado entre as nossas ações e suas consequências. Podemos desrespeitar a lógica e sair ilesos. Por que ficar colando umas nas outras todas as nossas facetas, forçando aderência para que pareçam... coerentes? O que foi dito hoje pode ser desdito amanhã. O que vale para isto, não precisa valer para aquilo. O que é certo agora, pode se tornar errado, caso seja conveniente. O que importa é a narrativa. Ela é que determina se a história contada será densa ou divertida, proveitosa ou bacana.
        Conceito mentiroso 3: pagar imposto é a coisa mais óbvia que pode existir! – Ah, os absurdos dominam todo o multiverso! Há um deles, inclusive, onde as pessoas têm salsichas no lugar dos dedos. E mesmo lá, nossas contrapartes pagam alegremente seus impostos. A receita federal possui filiais em todos os universos paralelos e se os seus funcionários são vilões, é por causa de desvios de caráter individuais. Isso nada tem a ver com a natureza da instituição. O estado é a única forma de organização política e social possível e deve ser sustentado com dedicação e seriedade. Se duvidar, até as pedras que habitam o mais desértico dos multiversos podem se orgulhar de ser contribuintes!
        A essa altura, o leitor que ainda não assistiu a Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo deve estar curioso para saber do que ele trata, afinal. Vamos à sinopse: O filme narra as desventuras de Evelyn Quan (Michelle Yeoh), uma imigrante chinesa nos Estados Unidos, que tem uma lavanderia afundada em dívidas com o fisco. Tem também um marido apático, Waymond Wang (Ke Huy Quan) e uma filha problemática, Joy (Stephanie Hsu), às voltas com as crises da adolescência. Para complicar, ela descobre que, sim, existem infinitos universos que consegue acessar, graças a truques tecnológicos revelados por uma das contrapartes de seu marido. Ele veio de outro universo, buscar ajuda para derrotar uma perversa vilã dedicada a destruir todo o multiverso – ninguém menos que uma contraparte onisciente da sua própria filha.
        Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo é uma mistura de comédia, ficção científica e aventura romântica, que adiciona lutas marciais chinesas desenfreadas, besteirol elevado à enésima potência e um sem número de referências à cultura pop – e ao próprio cinema. Mas posso colocar isso de uma forma mais simples: é um desses filmes de super-heróis voltado para o público adolescente – seus personagens podem não ter superpoderes, mas são capazes de façanhas homéricas.
        Os diretores e roteiristas Kwan e Scheinert, conhecidos como Daniels, até que esbanjam estilo. Decididos a não estabelecer limites para sua ousadia, rodaram um filme audacioso, que se tornou o queridinho da mídia. Usaram o conceito de multiverso já consagrado nas produções da Marvel e encontraram um jeito de fazer com que personagens comuns pudessem realizar o máximo de ações absurdas possíveis – até as mais escatológicas – para arrancar risos da plateia. E os adolescentes adoram a sensação de jamais saberem ao certo que rumo tomará essa história amalucada.
        Em termos de cinema, o filme não traz inovações. A narrativa acompanha a clássica jornada do herói – ou melhor, da heroína – e segue um formato manjado nas histórias de aventura. Está entupido de cenas expositivas desnecessárias e desajeitadas. O ritmo é frenético e a edição caprichada, mas a concepção visual, em muitos momentos, é bastante desleixada. Os efeitos visuais são previsíveis e as atuações estilizadas, porém, conversam diretamente com 
o público-alvo.
        Apesar de não estar inserido nesse público, confesso que me deixei levar por Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo. Na medida em que a trama se desenrolava, imaginei que a pirotecnia em torno do multiverso pudesse ser apenas uma metáfora. Os diretores talvez estivessem construindo uma história mais densa, que alcançaria uma abordagem adulta no final. A mãe, em seus mergulhos no absurdo, estaria na verdade tentando compreender e ajudar a filha autodestrutiva, que estaria às voltas com uma crise depressiva – ou talvez submetida à escravidão das drogas! A pobre menina estaria a ponto de se suicidar e para evitar gesto tão tresloucado, o esforço da heroína justificaria tudo!
        Que nada! O drama familiar terminou tão raso quanto era no começo. No final, o que ficou foi um recado muito bem dado pela academia de cinema: o Óscar não está mais tão interessado em premiar os profissionais da sétima arte e suas melhores realizações. Nada disso realmente importa!
        Meu consolo é que talvez haja mesmo um multiverso, repleto de possibilidades paralelas. Em alguma delas os bons cineastas e as boas histórias devem ser as mais premiadas. Em outras, o humor anárquico deve ser usado para incomodar, não para bajular o sistema. E em outras, o fetiche pelo estado já deve ter sido superado e ninguém precisa pagar impostos para sustentar máquinas de conceder privilégios!

Resenha crítica do filme Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo

Título original: Everything Everywhere All at Once
Ano de produção: 2022
Direção: Daniel Kwan e Daniel Scheinert
Roteiro: Daniel Kwan e Daniel Scheinert
Elenco: Michelle Yeoh, Stephanie Hsu, Ke Huy Quan, Jenny Slate, Harry Shum Jr., James Hong, Jamie Lee Curtis

Comentários

  1. Concordo plenamente. Filme ruim, histérico e superestimado, prova de que o Oscar, há muito não é sobre premiar os melhores.

    ResponderExcluir
  2. É... O Óscar também não importa!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Filme totalmente desnecessário! Senão tivesse sido produzido, ninguém sentiria a menor falta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas a academia achou que devia ser o filme mais premiado da história. Mas isso também não é importante!!!

      Excluir
  4. Sua crônica está perfeitamente correta. Falou tudo que realmente importa e esse filme não merece ser classificado como sétima arte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, ele apenas expôs a opinião pessoal dele, com a qual você, por acaso, concorda.

      Merece sim ser classificado de sétima arte. Acho que Os Fabelmans, ou Nada de Novo no Front, mereciam mais a estatueta de melhor filme. Mas Tudo em Todo Lugar foi páreo duro sim.

      A crítica aqui exposta não passa de mera opinião subjetiva pessoal.

      Excluir
    2. Opinião subjetiva e pessoal! É isso mesmo! Subjetividade e pessoalidade já estão implícitas na palavra opinião e estão na essência de todas as críticas e resenhas sobre filmes. A proposta da Crônica de Cinema não é oferecer textos objetivos e impessoais. Se assim fosse, estaria redigindo teses e tratados. Prefiro oferecer minha visão autoral, para ampliar o debate. Para ouvir os argumentos e os pontos de vista que ainda não havia considerado.

      Excluir
  5. Eu gostei do filme porque entendi as referências e acho sim que teve uma trama familiar com final satisfatório, pois a mãe compreendeu e explicou a situação a seu pai, o avô da menina, sempre relembrando o passado e seu trauma até então não superado de se mudar para tão longe da família e começar do zero em outro país. E era justamente isso que ela não gostaria que a filha dela passasse, recomeçar não é fácil, principalmente para alguém jovem e imaturo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse na crônica, considerei o drama exposto no roteiro muito raso. Tudo se resolveria num simples curta-metragem! Mesmo mirando o público adolescente, os realizadores poderiam ter buscado maior profundidade emocional. Poderiam ter estabelecido um diálogo mais proveitoso com o público. Mas, preferiram deixar o drama como pano de fundo, focalizando mais a pirotecnia em torno do multiverso.

      Excluir
  6. Eles buscaram a auditoria fiscal para conseguir um empréstimo e expandir o negócio, abrindo mais uma filial da lavanderia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles buscaram a auditoria fiscal porque precisavam pagar suas dividas com o fisco para conseguir um empréstimo. A auditoria fiscal não faz empréstimos, apenas recolhe uma parte significativa dos ganhos da empresa, com o intuito de bancar a máquina estatal. Uma máquina que não produz nada, apenas fica com parte do que produzimos para sustentar os poucos privilegiados que dela se beneficiam. O que me espantou no filme foi a naturalidade com que tratam esse assunto: pagar impostos é a coisa mais óbvia e natural em todos os universos! Será possível que em algum canto do multiverso já não tenham se dado conta de que não precisamos do estado para levar nossas vidas felizes e produtivas? Será que ninguém ainda se deu conta de que imposto é roubo?

      Excluir
  7. Um amontoado de besteira que foi minando meu interesse.Lá pela metade do filme desisti de acompanhar.Me surpreendeu ter ganho tantos prêmios.Adorei sua crítica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Confira também:

Tempestade Infinita: drama real de resiliência e superação

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema