Uma Saída de Mestre: remake hollywoodiano de um clássico inglês

Cena do filme Uma Saída de Mestre
Uma Saída de Mestre: Direção de F. Gary Gray

VEROSSIMILHANÇA? QUEM ESTÁ PREOCUPADO COM ISSO?

Ah, a vida moderna! Ela às vezes se parece com um massacre de dificuldades. Nos atinge com insistentes golpes de aborrecimentos e consegue nos molestar com os assuntos mais desagradáveis: os preços pela hora da morte, a falta de segurança nas ruas, a avalanche de impostos, a selvageria do trânsito, a cara de pau dos políticos desonestos... Ainda bem que a vida moderna também nos deixa experimentar a contraparte da realidade: o escapismo! É ótimo chegar em casa, largar-se no sofá, vasculhar os serviços de streaming e mergulhar no oceano de entretenimento ligeiro. Há dias em que tudo o que precisamos é tropeçar em um filme leve, despretensioso, raso e descomplicado. Há dias em que tudo o que precisamos é encontrar Uma Saída de Mestre, filme de 2003 dirigido por F. Gary Gray!
        Não estou pregando o escapismo como norma! Lembro apenas que até mesmo os cinéfilos mais engajados, de vez em quando, precisam dar um tempo no sofrimento e na gravidade do cinema que se leva a sério. Chego a suspeitar que um filme de ação, com doses de humor e aventura, faz muito bem para a saúde. Uma Saída de Mestre tem a posologia certa. Trata-se do remake hollywoodiano do clássico britânico Um Golpe à Italiana, realizado em 1969. Escrito pelo consagrado roteirista Troy Kennedy Martin, que criou diversas séries de sucesso para a BBC, o filme original é estrelado por Michael Caine e conta a história do criminoso Charlie Croker e seus comparsas. Eles executam um roubo espetacular na cidade italiana de Turim e fogem em disparada por suas ruas estreitas, usando simpáticos carrinhos Mini Cooper.
        O remake também é sobre Charlie Croker e tem a presença carismática dos carrinhos ingleses, mas as semelhanças param por aí. Uma Saída de Mestre conta uma história completamente diferente. O protagonista, vivido por Mark Wahlberg, junta seus comparsas para roubar um fortuna em barras de ouro, que pertencem a corruptos encastelados na cidade de Veneza. A gangue de Croker é composta pelo especialista em cofres John Bridger (Donald Sutherland), pelo piloto de fuga Handsome Rob (Jason Statham), pelo hacker Lyle “Napster" (Seth Green) e pelo perito em explosivos Left Ear (Mos Def), além do suspeitíssimo Steve (Edward Norton). O assalto é um sucesso, mas na hora de dividirem o butim, Steve consegue passar a perna nos demais e ficar com todo o ouro. Quem leva a pior é John Bridger, que perde a vida. Isso tudo acontece nos primeiros minutos do filme. Um ano depois, Charlie Croker descobre o paradeiro de Steve, que agora posa de milionário em Los Angeles. Tramando vingança, reúne sua equipe de assaltantes e bola um plano mirabolante, para roubar de volta suas preciosas barras de ouro. Dessa vez contará com as habilidades da bela Stella Bridger (Charlize Theron), filha de John Bridger e herdeira das suas incríveis habilidades para arrombar cofres.
        O roteiro de Uma Saída de Mestre, escrito pelo casal Donna e Wayne Powers, é ágil e bem costurado. Procura manter a mesma elegância do filme original. Consegue seu intento, embora seja difícil competir com o humor refinado dos britânicos. O grande trunfo foi a atenção especial dada aos personagens, para que o espectador pudesse estabelecer com eles a necessária empatia. Os realizadores não caíram na armadilha de se atropelar em intermináveis cenas de perseguição, nem de promover um engarrafamento de cenas expositivas. Usaram os carrinhos ingleses com inteligência e bom gosto, mas os mantiveram como coadjuvantes da trama.
        O diretor Felix Gary Gray, que se tornou um especialista em videoclipes – já realizou dezenas deles para artistas de peso na cena musical – filmou Uma Saída de Mestre com ímpeto jovial e descolado. Priorizando a agilidade e o ritmo frenético, focalizou nos personagens e deixou que seu elenco estrelado se esbaldasse com as cenas divertidas. Ele conta que como parte da preparação para as filmagens, propôs aos atores um jogo ousado: todos tiveram que se reunir, bolar e executar um roubo de verdade. Invadiram um local cercado de segurança e conseguiram sair com coisas de valor, sem serem notados. É claro que a produção do filme devolveu tudo depois. Mas posso imaginar a dificuldade que os atores tiveram que enfrentar, afinal, são celebridades facilmente reconhecíveis!
        Apesar de serem assaltantes, os protagonistas de Uma Saída de Mestre não são bandidos. Não disparam tiros, não machucam pessoas, não transgridem valores morais... São gente boa, pelas quais podemos torcer sem culpa. Agem embalados por uma trilha sonora empolgante, conseguem ser engraçados mesmo nas horas mais difíceis e ainda por cima dirigem lindos carrinhos Mini Cooper especialmente modificados, que são potentes, resistentes e lindos! Verossimilhança? Quem está preocupado com isso? O filme nos garante ao menos duas horas de puro escapismo. É diversão garantida, espacialmente para quem está ávido por relaxar, estatelado no sofá.

Resenha crítica do filme Uma Saída de Mestre

Título original: The Italian Job
Título em Portugal: Um Golpe em Itália
Ano de produção: 2003
Direção: F. Gary Gray
Roteiro: Donna Powers e Wayne Powers
Elenco: Mark Wahlberg, Charlize Theron, Donald Sutherland, Jason Statham, Seth Green, Mos Def, Edward Norton, Shawn Fanning, Eric Walker, Boris Lee Krustonog, Julie Costello, Aaron Speiser, Olek Krupa, Christopher Moore Jr., Joel Homer, Kelly Brook e Fausto Callegarini

Comentários

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema