Nossas Noites: filme reúne Jane Fonda e Robert Redford

Cena do filme Nossas Noites
Nossas Noites: filme dirigido por Ritesh Batra 

PRIMEIRO ENXERGAMOS OS ASTROS, MAS DEPOIS, OS PERSONAGENS SE REVELAM!

Não são dois octogenários quaisquer. Trata-se de Jane Fonda e Robert Redford, astros do primeiro time de Hollywood e razão de sobra para assistir ao filme Nossas Noites, de 2017, dirigido por Ritesh Batra. Na medida em que embarcamos na história encontramos outros bons motivos: o ritmo apropriado da narrativa, a densidade dos personagens, a objetividade do roteiro, a delicadeza e a ternura usadas no tratamento do tema... Nesse filme, há muita gente madura, na frente e por trás das câmeras!
        Sim, para apreciar Nossas Noites o espectador terá que trazer na bagagem alguma dose de maturidade, ou pelo menos já ter refletido sobre a vida na terceira idade. Um adolescente achará o filme chato e arrastado, já que conta a história de dois viúvos,osos e solitários, que decidem iniciar um relacionamento. A iniciativa parte dela, num ímpeto de atrevimento e ousadia. Ambos passam a dividir a mesma cama durante as noites e vêm seus sentimentos tomando contornos, que a longa experiência de vida já os ensinou a reconhecer. O casal vai despertar reações na comunidade e nas famílias, mas assim como têm paciência para ensinar, também têm disposição para aprender. Vamos esquadrinhar um pouco mais essa sinopse:
        Holt é uma pequena cidade do Colorado – fictícia, mas habitada pela mesma qualidade de vida que pulsa nas cidades reais daquele estado americano. É lá que vive sua velhice o viúvo Louis Waters (Robert Redford). Certa noite ele é pego de surpresa, quando sua vizinha, a também viúva Addie Moore (Jane Fonda), o convida para passarem a noite juntos. A intenção é aplacar a solidão que tomou conta de suas vidas, ter alguém com quem conversar, dormir... Por que não? Convite aceito, as noites se sucedem, mas a vizinhança acaba reparando. A situação é um prato cheio para os boatos e comentários à boca pequena. Logo o casal experiente descobre que manter uma tal relação vai gerar problemas. Mas desde quando octogenários experientes estão preocupados com o que vão pensar deles? Com delicadeza, suavidade e sensatez, vemos como o casal lida com os personagens que entram em cena: a filha de Louis, Holly (Judy Greer), o filho de Addie, Gene (Matthias Schoenaerts) e o pequeno Jamie (Iain Armitage), neto de Addie, que vem passar uns tempos com ela.
        Essa produção original da Netflix é dirigida pelo indiano Ritesh Batra, cujo filme Lunchbox o projetou internacionalmente, depois que foi premiado em Cannes. Ele foi escolhido por Robert Redford, que também produziu Nossas Noites, para trazer seu estilo sensível na condução dessa história, adaptada do romance com o mesmo título escrito pelo americano Kent Haruf. O roteiro é assinado pela dupla Scott Neustadter e Michael H. Weber, que já trabalharam juntos em vários filmes, inclusive o sucesso A Culpa é das Estrelas.
        A grande ousadia de Nossas Noites está justamente em não fazer concessões: não facilitam a vida do expectador apresentando estereótipos e clichês sobre a velhice. Diferente das comédias românticas que transbordam contemporaneidade, aqui são os personagens que cobram empatia do público.
        Nossas Noites é um bom exemplo de como o cinema às vezes consegue embaralhar a noção de realidade, misturando o que se passa na tela com o que acontece fora dela. Ao se valer de símbolos e ícones consagrados da indústria, como os nomes Jane Fonda e Robert Redford, os realizadores evocam significados que interferem na própria história a ser contada. Mas Ritesh Batra teve pulso e sensibilidade para fazer com que os personagens conseguissem se impor frente aos astros.

Resenha crítica do filme Nossas Noites

Ano de produção: 2017
Direção: Ritesh Batra
Roteiro: Scott Neustadter e Michael H. Weber
Elenco: Robert Redford, Jane Fonda, Iain Armitage, Matthias Schoenaerts, Judy Greer, Phyllis Somerville e Bruce Dern

Comentários

Confira também:

O Impossível: a história real da família de María Belón

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?