Ronin: nesse filme todos querem o que está dentro da mala prateada

Cena do filme Ronin
Ronin: filme dirigido por John Frankenheimer

O MÍNIMO DE INFORMAÇÃO COM O MÁXIMO DE AÇÃO

Você sabe pouquíssimo sobre o protagonista, nada sobre o conteúdo da mala prateada na qual ele tenta pôr as mãos e nem imagina a quantidade de espiões dispostos a matar ou morrer por ela. Sabe apenas que acompanhará as mais perigosas e emocionantes cenas de perseguições em alta velocidade filmadas nas ruas estreitas de Nice e Paris. Ronin, filme de 1998 dirigido por John Frankenheimer, é um filme de ação à moda antiga – se é que isso existe – eletrizante e inesquecível pelas cenas automobilísticas.
        Para começo de conversa, os realizadores tiveram o cuidado de explicar logo na abertura qual é, afinal, o significado da palavra que dá título ao filme. Ronin era como se chamava no Japão feudal o samurai que perdeu seu mestre empregador e que para sobreviver passa a prestar serviços como guerreiro de aluguel, levando uma vida nômade e incerta. Trata-se de uma analogia com os agentes altamente treinados das agências de espionagem que se desmantelaram com o fim da guerra fria.
        Ronin conta a história de um desses agentes, que conhecemos apenas por Sam (Robert de Niro). Em Paris ele se junta a um grupo recrutado por Deirdre (Natascha McElhone) para executar uma missão em Nice: roubar uma mala cujo conteúdo é um mistério. Acompanhamos a etapa de planejamento e a execução do plano, quando tudo se complica. Agentes da KGB, guerrilheiros do IRA, traidores de plantão e toda a sorte de agentes furtivos farão qualquer coisa para conseguir a mala, mas Sam não deixará barato para os inimigos.
        O enredo do fime Ronin é uma criação de J.D. Zeik, mas o roteiro é creditado a Richard Weiz, que vem a ser um pseudônimo usado por David Mamet – o próprio Frankenheimer afirmou que nada do roteiro original de Zeik foi filmado. Conta-se que Robert De Niro implorou a Mamet para que reescrevesse o roteiro, que não considerava satisfatório. Mamet ampliou a participação do enigmático Sam e poupou o espectador dos detalhes desimportantes sobre a origem dos ex-agentes. Concentrou-se no que interessa e deu uma verdadeira aula sobre como roteirizar filmes de ação!
        Nas cenas eletrizantes que combinam carros e tiros, filmadas na raça – sem os truques da computação gráfica – os dublês tiveram que fazer hora extra! Mas o filme Ronin nos traz mais do que perseguições desenfreadas. Trata-se de um thriller ágil e tenso, com jogos de espionagem e personagens que precisam pensar rápido enquanto se posicionam de acordo com seus valores e princípios. Há uma atmosfera melancólica de final de festa, onde homens lacônicos lutam pelas sobras de um mundo que já não é mais o mesmo.
        John Frankenheimer era um diretor à moda antiga, que exercia controle criativo sobre todas as etapas do seu filme. Em Ronin ele conseguiu passar autenticidade, não apenas nas cenas de perseguição, mas principalmente no trato com o mundo da espionagem, onde homens solitários, apegados a códigos estritos de conduta, valem-se de truques e subterfúgios para alcançar seu objetivo – ainda que seja o de atender aos seus interesses pessoais. Nesse filme, velocidade e fúria estão a serviço da verdadeira espionagem!

Resenha crítica do filme Ronin

Data de produção: 1998
Direção: John Frankenheimer
Roteiro: David Mamet
Elenco: Robert De Niro e Jean Reno, Natascha McElhone, Stellan Skarsgård, Sean Bean, Skipp Sudduth, Michael Lonsdale, Jonathan Pryce, Féodor Atkine e Katarina Witt

Comentários

  1. Filme excelente, assisti algumas vezes, tenho vontade de assistir novamente, alguém sabe se tem em alguma plataforma de Streaming????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não encontrei esse filme em nenhum serviços de streaming. Talvez, esteja disponível apenas em DVD

      Excluir
  2. https://filmesmega.online/ronin-dual-audio/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema