Ronin: filme estrelado por Robert De Niro


Ronin: filme dirigido por John Frankenheimer

O MÍNIMO DE INFORMAÇÃO COM O MÁXIMO DE AÇÃO

Você sabe pouquíssimo sobre o protagonista, nada sobre o conteúdo da mala prateada na qual ele tenta pôr as mãos e nem imagina a quantidade de espiões dispostos a matar ou morrer por ela. Sabe apenas que acompanhará as mais perigosas e emocionantes cenas de perseguições em alta velocidade pelas ruas estreitas de Nice e Paris. Ronin, filme de 1998 dirigido por John Frankenheimer, é um filme de ação à moda antiga – se é que isso existe – eletrizante e inesquecível pelas cenas automobilísticas.
        Para começo de conversa, os realizadores tiveram o cuidado de explicar logo na abertura qual é, afinal, o significado da palavra que dá título ao filme. Ronin era como se chamava no Japão feudal o samurai que perdeu seu mestre empregador e que para sobreviver passa a prestar serviços como guerreiro de aluguel, levando uma vida nômade e incerta. Trata-se de uma analogia com os agentes altamente treinados das agências de espionagem que se desmantelaram com o fim da guerra fria.
        Ronin conta a história de um desses agentes, que conhecemos apenas por Sam (Robert de Niro). Em Paris ele se junta a um grupo recrutado por Deirdre (Natascha McElhone) para executar uma missão em Nice: roubar uma mala cujo conteúdo é um mistério. Acompanhamos a etapa de planejamento e a execução do plano, quando tudo se complica. Agentes da KGB, guerrilheiros do IRA, traidores de plantão e toda a sorte de agentes furtivos farão qualquer coisa para conseguir a mala, mas Sam não deixará barato para os inimigos.
        O enredo de Ronin é uma criação de J.D. Zeik, mas o roteiro é creditado a Richard Weiz, que vem a ser um pseudônimo usado por David Mamet – o próprio Frankenheimer afirmou que nada do roteiro original de Zeik foi filmado. Conta-se que Robert De Niro implorou a Mamet para que reescrevesse o roteiro, que não considerava satisfatório. Mamet ampliou a participação do enigmático Sam e poupou o espectador dos detalhes desimportantes sobre a origem dos ex-agentes. Concentrou-se no que interessa e deu uma verdadeira aula sobre como roteirizar filmes de ação!
        Nas cenas eletrizantes que combinam carros e tiros, filmadas na raça – sem os truques da computação gráfica – os dublês tiveram que fazer hora extra! Mas Ronin nos traz muito mais do que perseguições desenfreadas. Trata-se de um thriller ágil e tenso, com jogos de espionagem e personagens que precisam pensar rápido enquanto se posicionam de acordo com seus valores e princípios. Há uma atmosfera melancólica de final de festa, onde homens lacônicos lutam pelas sobras de um mundo que já não é mais o mesmo.
        John Frankenheimer era um diretor à moda antiga, que exercia controle criativo sobre todas as etapas do seu filme. Em Ronin ele conseguiu passar autenticidade, não apenas nas cenas de perseguição, mas principalmente no trato com o mundo da espionagem, onde homens solitários, apegados a códigos estritos de conduta, valem-se de truques e subterfúgios para alcançar seu objetivo – ainda que seja o de atender aos seus interesses pessoais. Nesse filme, velocidade e fúria estão a serviço da verdadeira espionagem!

Filme: Ronin

Data de produção: 1998
Direção: John Frankenheimer
Roteiro: David Mamet
Elenco: Robert De Niro e Jean Reno, Natascha McElhone, Stellan Skarsgård, Sean Bean, Skipp Sudduth, Michael Lonsdale, Jonathan Pryce, Féodor Atkine e Katarina Witt

Comentários

Leia também:

Siga a Crônica de Cinema