Os Gritos do Silêncio: fugindo do extermínio no Camboja


Os Gritos do Silêncio: filme dirigido por , Roland Joffé

O JORNALISMO REGISTRA OS FATOS, MAS NO CINEMA VIVENCIAMOS O DRAMA

O Khmer Vermelho, partido comunista do Camboja, executou nos anos 70 uma engenharia social que resultou no genocídio de 30% dos cambojanos. O filme Os Gritos do Silêncio, dirigido em 1984 por Roland Joffé retrata os fatos em dois momentos: pelos olhos de Sydney Schanberg, jornalista do The New York Times e depois pelos de seu assistente, Dith Pran, que escapou dos campos de extermínio de forma dramática. No elenco, Sam Waterston e o ganhador do Óscar Haing S. Ngor.
        O cambojano Haing S. Ngor não era ator. Era um médico que, na vida real, havia passado pelos mesmos horrores experimentados pelo personagem que interpretou no filme Os Gritos do Silencio: conseguiu escapar do matadouro em que se transformou seu país. Sua atuação convincente – tanto que foi premiada com o Óscar de melhor ator coadjuvante – ajudou a contar essa história dramática, uma das maiores atrocidades já cometidas pelo estado autoritário.
        O roteiro do filme Os Gritos do Silêncio é assinado por Bruce Robinson. Ele se baseou no livro do jornalista Sydney Schanberg, aqui vivido por Sam Waterston. O roteirista dividiu o filme em duas partes: na primeira, a tensão da retirada dos americanos derrotados é mostrada num ritmo jornalístico. Na segunda, os absurdos inimagináveis vividos por Dith Pran são dramatizados com realismo perturbador.
        No filme Os Gritos do Silêncio, o diretor Roland Joffé soube manter a força documental, sem desviar o foco dos personagens. Realizou um trabalho de muita qualidade técnica. Na contabilidade final do Óscar, a produção arrebatou ainda as estatuetas de melhor fotografia e melhor edição. Ah, o elenco ainda temos John Malkovich, Julian Sands e Craig T. Nelson.

Os Gritos do Silêncio

Data de produção: 1984
Direção: Roland Joffé
Roteiro: Bruce Robinson
Elenco: 
Sam Waterston, Hainf S. Ngor, John Malkovich, Julian Sands e Craig T. Nelson

Comentários

  1. Realmente o cinema nos ensina escancarando a essência de muitos seres que se dizem "humanos ". Gostei desse filme porque realmente mostra com altissima qualidade uma realidade tão difícil de ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é difícil se deparar com tantas atrocidades. Ainda bem que os realizadores souberam extrair emoções verdadeiras ao contar essa história.

      Excluir
  2. Grande filme, emocionante pela sua autencidade como denúncia do avanço fantoche dos chineses contrapondo o expansionismo capitalista americano na região. Os povos é que sofrem na briga ideológica que no fundo é nada mais que busca pelo poder econômico como estamos hoje notando cada vez mais. Guerra civil é isso...

    ResponderExcluir
  3. Grande filme, emocionante pela sua autencidade como denúncia do avanço fantoche dos chineses contrapondo o expansionismo capitalista americano na região. Os povos é que sofrem na briga ideológica que no fundo é nada mais que busca pelo poder econômico como estamos hoje notando cada vez mais. Guerra civil é isso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e o papel da imprensa revelando os fatos é sempre de suma importância.

      Excluir

Postar um comentário

Leia também: