O Auto da Compadecida

UM FILME COM FORTE SOTAQUE DE... TELEVISÃO



O Auto da Compadecida: filme dirigido por Guel Arraes

        Assim como Pier Paolo Pasolini se debruçou no começo dos anos 70 a traduzir para a linguagem do cinema as histórias medievais que Boccaccio imortalizou em Decamerão, Guel Arraes se entregou com prazer à tarefa de verter para o cinema três peças escritas por Ariano Suassuna e as condensou no seu filme O Auto da Compadecida. Realizou um inteligente exercício de cinema, que conseguiu ultrapassar os regionalismos e ganhar contornos universais – embora o trato com língua portuguesa ponha barreiras, a trama e os personagens esboçados a partir de arquétipos podem ser facilmente reconhecidos em qualquer país católico.
        A inspiração em Decamerão ficou explícita na fotografia e na direção de arte, onde as tonalidades ocres e arenosas imperam, encontrando os paralelos entre o interior da Paraíba dos anos 30 e a paisagem italiana do Século XIV. Mas é na narrativa ágil que O Auto da Compadecida se diferencia. Ao condensar as peças Auto da Compadecida, O Santo e a Porca e Torturas de um Coração, Guel Arraes concentrou sua atenção em Chicó e João Grilo, ganhando uma unidade dramática mais envolvente.
        Antes de virar filme, O Auto da Compadecida viveu sua encarnação como minissérie. É daí que vem o forte sotaque televisivo, que trouxe muita personalidade à produção, com seus planos e contraplanos enquadrados para a telinha. Além disso, a presença de atores e atrizes consagrados nas telenovelas faz com que o espectador brasileiro se sinta... em casa! As atuações são marcantes e o elenco esbanja carisma.
        Exalando um humor espontâneo e popular, os personagens de Matheus Nachtergaele e Selton Mello ganham profundidade na medida em que a esperteza de um e o caráter do outro vão sendo postos à prova em situações divertidíssimas. Se o livro de Giovanni Boccaccio marcou a transição da literatura, de uma abordagem transcendental para uma mais realista, O Auto da Compadecida parece ter marcado a transição da linguagem audiovisual no Brasil. Passamos de uma era pré-internet para a atual, onde múltiplas plataformas disputam nossa atenção.
        Encontrar esse filme nos serviços de streaming e poder revê-lo sempre que desejar é um privilégio para muitos cinéfilos.


Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.



Filme: O Auto da Compadecida


Ano de produção: 2000
Direção: Guel Arraes
Roteiro: Guel Arraes, a Adriana Falcão e João Falcão
Elenco: Matheus Nachtergaele, Selton Mello, Marco Nanini, Denise Fraga, Fernanda Montenegro, Lima Duarte, Rogério Cardoso, Paulo Goulart e Maurício Gonçalves


Comentários

Leia também: