Mad Max 1: aqui, a matéria-prima é a insanidade

Cena do filme Mad Max 1
Mad Max: filme dirigido por George Miller

O PONTO MÁXIMO DA LOUCURA PÓS-APOCALIPTICA

No final dos anos 70 costumava sair das aulas e ir direto aos sebos no centro da cidade, para vasculhar as estantes à procura de livros baratos e histórias em quadrinhos. Era frequente encontrar exemplares em inglês da revista Heavy Metal e em francês da Metal Hurlant, os quais colecionava. O universo gráfico que vislumbrava no folhear de cada página era feito de pura modernidade. Não havia estética mais ousada e imaginativa chegando por meio da mídia convencional. Então me deparei com o filme Mad Max, realizado em 1979 por George Miller.
        Na tela, reconheci imediatamente o visual pós-apocalíptico e a abordagem distópica dos quadrinhos que tanto apreciava. O filme Mad Max veio como um sopro de novidade, impondo um tratamento diferente para os elementos de ação e perseguição comuns nos filmes do gênero. As doses de violência eram mais intensas, as velocidades maiores, as destruições eram mais espetaculares... Parecia que os realizadores estavam dispostos a chegar ao ponto máximo de ação e emoção.
        O filme Mad Max se passa num futuro não muito distante e insinua que o apocalipse, quando vier, virá aos poucos, acabando com a humanidade por partes. Max Rockatansky (Mel Gibson) é um oficial de polícia – o que restou dela – que se dedica a exibir suas habilidades de perseguidor implacável, dirigindo em alta velocidade pelas estradas desertas da Austrália, à cata de malfeitores insanos. Em meio a embates violentos acaba se metendo com uma gangue de motoqueiros liderados por um tal Toecutter (Hugh Keays-Byrne), o que lhe custará caríssimo.
        A insanidade é a matéria-prima do filme. Num mundo que se desmantela, o certo e o errado ficam tão embaçados quanto a lucidez ou a loucura. O resultado da equação só pode ser um: a violência. O diretor George Miller e o roteirista James McCausland criaram um subgênero da ficção científica, uma espécie de road-movie pós-apocalíptico, que inspirou um sem número de filmes e acabou imortalizado em uma franquia de sucesso – embora tal criação, como já declararam, tenha sido resultado do baixíssimo orçamento de que dispunham.
        Os realizadores tiveram que contratar clubes de motoqueiros que usaram suas próprias motos e figurinos, além de concentrar os gastos apenas na caracterização dos atores principais. Ainda assim, o visual do filme Mad Max envelheceu bem! Mel Gibson, que teve a carreira alavancada graças ao filme, entregou uma atuação econômica e ao mesmo tempo marcante – mas é verdade que seu personagem exigiu poucos recursos dramáticos.
        Ainda hoje o primeiro filme da franquia Mad Max funciona, como filme de ação e como proposta estética. Suas continuações foram realizadas com a injeção de vultosos orçamentos, mas jamais deixaram de ressaltar seu principal apelo: a força de um personagem contaminado pela insanidade do mundo, movendo-se além do ponto máximo que se pode alcançar.

Resenha crítica do filme Mad Max

Sinopse: este filme dirigido em 1979 por Georgr Miller mistura ação, policial e ficção científica. Retrata um futuro não muito distante e insinua que o apocalipse, quando vier, virá aos poucos, acabando com a humanidade por partes. Max Rockatansky (Mel Gibson) é um oficial de polícia – o que restou dela – que se dedica a exibir suas habilidades de perseguidor implacável, dirigindo em alta velocidade pelas estradas desertas da Austrália, à cata de malfeitores insanos. Em meio a embates violentos acaba se metendo com uma gangue de motoqueiros liderados por um tal Toecutter (Hugh Keays-Byrne), o que lhe custará caríssimo. A insanidade é a matéria-prima do filme. Num mundo que se desmantela, o certo e o errado ficam tão embaçados quanto a lucidez ou a loucura. O resultado da equação só pode ser um: a violência.

Ano de produção: 1979
Direção: George Miller
Roteiro: George Miller e James McCausland
Elenco: Mel Gibson, Joanne Samuel, David Bracks, Steve Bisley, Tim Burns, Mathew Constantine, Roger Ward, Lisa Aldenhoven, Bertrand Cadart, David Cameron, Robina Chaffey, Stephen Clark, Jerry Day, Hugh Keays-Byrne e Geoff Parry

Comentários

  1. Parabéns pelo texto! Excelente filme!! Um clássico!!

    ResponderExcluir
  2. Não diria ser um clássico,pode ser um filme cultuado por uma fatia de admiradores deste gênero ,recursos parcos e Boa dose improvisações,imaginaçõe de fato um bom filme!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é um bom filme, dentro do que se propõe. A fatia de admiradores ficou enorme, na medida em que os estúdios empreenderam um significativo esforço promocional.

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema