O Mistério do Farol: a história real da ilha Flannan, só que não!

Cena do filme O Mistério do Farol
O Mistério do Farol: filme dirigido por Kristoffer Nyholm

UM THRILLER PSICOLÓGICO EMOCIONANTE, COM ÓTIMAS ATUAÇÕES

Há várias confusões em torno desse filme. Antes de começar a desfazê-las, é preciso que se diga: O Mistério do Farol, dirigido em 2019 por Kristoffer Nyholm, é um bom thriller psicológico. Trata-se de uma produção escocesa realizada com competência, que oferece bom entretenimento para os amantes do gênero.
        A primeira confusão sobre a produção envolve datas: para promovê-la, os realizadores dizem que foi baseada numa história real, conhecida de boca em boca como "O Mistério da Ilha de Flannan", sobre o desaparecimento de três faroleiros em circunstâncias jamais esclarecidas, enquanto cumpriam seu turno de seis semanas operando o farol. O fato aconteceu em 1894, naquela pequena ilha ao norte da Escócia, a 30 milhas da costa. Quando os homens da marinha vieram para rendê-los, a porta estava escancarada, a mesa posta para o jantar e uma das cadeiras estava deitada no chão. Não havia pistas nem qualquer sinal do que poderia ter acontecido. Mas no filme O Mistério do Farol, os acontecimentos se passam em 1938, quando as tecnologias de comunicação já estavam bem mais estabelecidas e teriam facilitado eventuais pedidos de ajuda. Ainda que os roteiristas tenham contornado essa questão, ela causa estranhamento para o espectador atento.
        A segunda confusão é mais óbvia: se os desaparecidos não deixaram pistas, como é que os roteiristas contaram essa “história real”? Ora, fica claro que se trata de pura especulação. Usaram e abusaram da licença poética – e fizeram isso com competência. Mas antes de continuar esse périplo, é mais prudente estabelecer uma rota segura, contando logo a sinopse do filme.
        Em O Mistério do Farol, Thomas Marshall (Peter Mullan) está no comando. É um homem maduro, em luto pela perda da mulher e das filhas. James Ducat (Gerard Butler), o faroleiro experiente, é um pai de família que só deseja cumprir seu turno e voltar logo para casa. E Donald McArthur (Connor Swindells), o mais jovem, é o aprendiz que precisa se conformar com a posição de subalterno. Depois de engrenar a rotina enfadonha e encarar uma tempestade que desagua em maus presságios, os três se deparam com um barco despedaçado no pé de um penhasco. Ao lado, um corpo e um baú de madeira. Pronto, está armado o cenário de mistério. É claro que o conteúdo do baú envolve ouro, em quantidade suficiente para despertar ganâncias e atrair bandidos desalmados que vêm reclamar sua posse. É claro que a vida dos três faroleiros passa a correr riscos, mas afinal, qual será o destino imaginado pelos roteiristas? É o que nos anima a seguir atentos até o final desse filme envolvente.
        Os cinéfilos mais experientes já ligaram os pontos e perceberam a inspiração no clássico O Tesouro de Sierra Madre, dirigido em 1948 por John Huston. Lá, o cenário era o México infestado de bandoleiros, que infernizaram a vida dos três protagonistas gananciosos. Mas aqui, os três faroleiros se envolvem numa batalha feroz pela sobrevivência, trazendo para O Mistério do Farol um resultado cinematográfico diferente.
        Outra confusão desse filme diz respeito ao seu título original. Quando a produção começou, era chamada de Keepers. Os realizados decidiram mudar para The Devil To Pay e depois de um tempo voltaram para Keepers – inclusive é assim que aparece nos créditos do filme exibido pela Netflix. Mas agora, o título oficial do filme é The Vanishing, o que gera ainda mais confusão, já que esse é o mesmo título de um clássico thriller holandês de 1988 dirigido por George Sluizer, 
que mais tarde ele mesmo refilmou em inglês e ficou conhecido por aqui como O Silêncio do Lago.
        Ainda tem mais confusão: a julgar pelo material promocional do filme, muitos espectadores estão pensando que o O Mistério do Farol é aquele dirigido em 2019 por Robert Eggers e estrelado por Willem Dafoe e Robert Pattinson. Nada disso! São histórias completamente diferentes – ouso dizer que o filme de Robert Eggers, intitulado O Farol, é bastante superior. Clique no link para conferir a crônica, onde detalho esse meu ponto de vista.
        Bem... Chega de confusão! O Mistério do Farol merece mais consideração. O diretor Kristoffer Nyholm é um cineasta experiente, com ótimas passagens pelas séries de TV. O diretor de fotografia, Jorgen Johansson, soube dar muita personalidade ao filme, explorando com talento os atrativos sombrios da locação, uma ilha escocesa eternamente coberta pela neblina. E o desempenho do trio de atores principais é excelente. O veterano Peter Mullan é pura credibilidade e o astro de filmes de ação de Hollywood, Gerard Butler, que é escocês de nascimento, surpreende: nos faz lembrar que dentro dele mora um ator de talento, com sólidos recursos dramáticos.
        Quanto ao roteiro de Joe Bone e Celyn Jones – esse último mais conhecido por seu trabalho como ator – é bem estruturado e consegue imprimir um andamento preciso para a narrativa. A dupla soube lidar com os momentos de silencio e também com as cenas de ação. Evitaram o apelo barato ao suspense ou terror e extraíram um caldo emocionante da história que inventaram. É bem verdade que precisaram improvisar. Os motores a diesel do farol, o aparato elétrico e a sirene de neblina disponíveis na locação – por contingências orçamentárias, é claro – os fizeram empurrar a história para os anos 1930. Mas como tinham uma boa história para contar, conseguiram contornar esses pequenos entraves. Os realizadores de O Mistério do Farol, no entanto, insistiram em manter o apelo promocional de ligar o filme ao mistério da Ilha de Flannan. Para os cinéfilos que apreciam uma boa história bem contada, isso não é exatamente um problema. Podemos incluir a decisão entre as tais... licenças poéticas!

Resenha crítica do filme O Mistério do Farol

Título original: The Vanishing
Ano de produção: 2019
Direção: Kristoffer Nyholm
Roteiro: Celyn Jones e Joe Bone
Elenco: Gerard Butler, Peter Mullan, Connor Swindells, Ólafur Darri Ólafsson, Søren Malling, Gary Lewis, Gary Kane, Roderick Gilkison e Emma King

Comentários

  1. Belíssimo texto. "Tira da cartola" todos coelhos do filme, desde a história real que o inspirou, que é impossível, pois não sobrou ninguém pra contar . Ressalta-se a imaginação dos autores montar uma obra apenas com boatos colhidos de boca em boca. Filmes assim me lembram outro de nome, "Uma luz entre oceanos", muito bom também com a bela Raquel Weiss. Graças a tua crônica irei colocar na minha lista pra assistir, aliás, tenho assistido muitos depois de ler aqui.....

    ResponderExcluir
  2. Ah, obrigado! Sou grato pelo seu feedback. Fico feliz em poder compartilhar as experiências que me chegam pelo cinema.

    ResponderExcluir
  3. Ótima crônica. Você saberia onde pode ser visto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Encontrei na Netflix!

      Excluir
    2. Muito obrigado!! Assisti a esse filme no Telecine, há algum tempo.

      Excluir
  4. Fabio! Admiro muito o teu trabalho! Parabéns! 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muito obrigado pelo seu feedback. Ė um estímulo para seguir escrevendo

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema