Fragmentado: atmosfera perturbadora dos grandes thrillers psicológicos

Cena do filme Fragmentado
Fragmentado: filme dirigido por M. Night Shyamalan

SHYAMALAN ESCALOU UM ATOR QUE VALE POR UMA MULTIDÃO

Em termos comerciais, os filmes de M. Night Shyamalan funcionam muito bem. Muitos espectadores não se importam de ser ludibriados, apenas para que no final levem um susto ou sejam surpreendidos pelo inusitado. Mas em Fragmentado, seu filme de 2016, o diretor não se vale de truques sujos para alimentar um suspense intenso e perturbador. Seu trunfo é James McAvoy, que sabe conversar com a câmera e se fazer convincente. Esse triller psicológico é, portanto, um impressionante trabalho de ator!
        Fragmentado conta a história de Kevin Wendell Crumb (James McAvoy), um sujeito habitado por 23 personalidades, tratado pela Dra. Karen Fletcher (Betty Buckley) como um curioso caso clínico. Ocorre que uma dessas personalidades sequestra três garotas adolescentes e as coloca em um cativeiro subterrâneo e impenetrável. Elas lutam para escapar, mas nunca sabem com quem estão lidando. A narrativa ganha contornos de mistérios quando explora a personagem de Casey, uma das garotas sequestradas, interpretada por Anya Taylor-Joy, e ganha em suspense e tensão.
        O ponto focal de Fragmentado é mesmo James McAvoy. Com poucas expressões ele traz à vida algumas das 23 personalidades que habitam o corpo do vilão, num dos mais brilhantes exercícios de interpretação que vimos nos últimos anos. Quanto a Shyamalan, é preciso dizer que o diretor amadureceu e mostra um trato ainda mais refinado da linguagem cinematográfica. Como sempre, temperando o suspense e o medo com pitadas inesperadas de algo sobrenatural.
        Ao longo da carreira, Shyamalan realizou filmes marcados por reviravoltas na trama, mas em Fragmentado ele encontrou maneiras novas e empolgantes de surpreender seu público. O diretor conta que a ideia para o filme nasceu quando ele escreveu o personagem. Concebeu algumas cenas e chegou até a definir algumas linhas de diálogos, mas deixou tudo adormecido por alguns anos. Então, percebeu o momento certo para realizar o filme e decidiu criar uma mistura sutil de humor e suspense. Escreveu sete tratamentos do roteiro até chegar ao ritmo e à sensação geral que pretendia passar ao público. No meio do caminho, fez algumas pesquisas. Leu os clássicos sobre o tema: o livro Sybil, escrito por Flora Rheta Schreiber – que virou telefilme em 1976 – e o romance de não-ficção The Minds of Billy Milligan, escrito por Daniel Keyes. Ambas a obras retratam casos reais de protagonistas que sofriam de transtorno de múltiplas personalidades.
        Obviamente, as estruturas narrativas desses livros são adequadas para documentar a trajetória de personagens reais e os tratamentos aos quais se submeteram. Para desenvolver seu thriller, Shyamalan precisou ir além. Conversou com vários terapeutas para tentar desenhar a relação entre médico e paciente e desenvolver os personagens do seu filme. Assim como seu protagonista multifacetado, Fragmentado exibe uma mistura de gêneros. Há elementos de suspense e tensão extraídos dos tradicionais filmes de terror, há uma atmosfera perturbadora que respiramos nos grandes thrillers psicológicos – Shyamalan cita O Silêncio dos Inocentes como seu favorito – e há um clima de ação como nos filmes que exploram os limites da mente e do corpo dos seres humanos.
        Desde seu primeiro sucesso, O Sexto SentidoM. Night Shyamalan gosta de confundir o espectador, ora sonegando informações, ora criando falsas expectativas, só para fazer suspense e chegar a um final surpreendente. Em trabalhos anteriores, a receita beirou o mau gosto, mas nesse filme ele acerta. Ao final, revela que Fragmentado tem conexões com seu filme Corpo Fechado e insinua que a trama terá continuidade em Vidro, seu filme de 2019. Os minutos finais, feitos para os iniciados no universo do diretor, nem precisa ser levado em consideração. Eis aqui um filme que vale a pena conferir!


Resenha crítica do filme Fragmentado

Ano de produção: 2016
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan 
Elenco: James McAvoy, Anya Taylor-Joy, Betty Buckley, Haley Lu Richardson, Jessica Sula, Brad William Henke, Sebastian Arcelus, Neal Huff, Kim Director, Lyne Renée, M. Night Shyamalan, Bruce Willis

Comentários

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema