Platoon: as duas faces angustiantes da Guerra do Vietnã

Cena do filme PlatoonPlatton: filme dirigido por Oliver Stone

A EXPERIÊNCIA REALISTA DE SER UM JOVEM COMBATENTE

Platoon foi um ponto de virada nos dramas de guerra. Realizado em 1986 pelo cineasta Oliver Stone, o filme impôs um novo padrão para o gênero, que passou a incorporar elementos de realismo e permitir que a câmera opere infiltrada entre os personagens, para inserir o espectador no meio do fogo cruzado. E diferente do grande filme sobre a guerra do Vietnã que o antecedeu – Apocalipse Now – esse não veio com uma abordagem política: trazia tão somente o ponto de vista do guerreiro que revida os tiros do inimigo, cuja ideologia não tem importância diante da letalidade da sua munição.
        Talvez esse tenha sido o segredo do enorme sucesso de Platoon. Os americanos, ainda preocupados em soprar a ferida política causada pela Guerra do Vietnã, encontraram no filme um drama sobre a guerra – qualquer guerra – mostrando seus impactos nos corações e mentes dos seus soldados. É claro que o único cineasta capaz de realizar tal façanha era Oliver Stone. Como combatente servindo na infantaria americana, ele viveu os horrores da guerra e lutou em importantes batalhas no Vietnã. São as suas experiências, angustiantes e perturbadoras, que vemos aqui retratadas.
        Platoon conta a história de Chris Taylor, jovem de família abastada que abandona a faculdade para desembarcar como voluntário no Vietnã. Logo cai na rotina de quem vive a realidade da guerra: lutar a luta do dia, sobreviver mais um dia, viver cada dia como se fosse o último, contar os dias que ainda restam... Então conhece duas faces do conflito: aquela imposta pelo sargento Bob Barnes, um guerreiro pragmático, violento e capaz de encontrar prazer na brutalidade, e uma outra, pregada pelo sargento Elias Grodin, um guerreiro consciente, capaz de direcionar sua ferocidade apenas para os inimigos que a mereçam. Ninguém sabe qual delas vencerá.
        O filme foi rodado em locações nas Filipinas e traz imagens de grande autenticidade. Uns dos segredos de Oliver Stone para obter tamanho realismo foi submeter seu elenco a um extenuante treinamento militar de um mês, conduzido pelo ator e também ex-combatente Dale Dye. Isso deu aos atores a exata noção do que é ser um soldado submetido a pressões psicológicas, provações físicas e privações de sono. Outro truque do diretor foi rodar seu filme em sequência, seguindo a ordem cronológica das cenas. Algumas das técnicas usadas em Platoon foram adotadas em outros filmes posteriores, como O Resgate do Soldado Ryan, Falcão Negro em Perigo e Fomos Heróis.
        Oliver Stone conseguiu contar uma história simples, seguindo uma narrativa eficiente, sem confusões ou desvios. Ele escreveu o roteiro em 1976, mas penou anos para conseguir financiamento. Seu script circulou por vários estúdios, sem que ninguém se atrevesse a filmá-lo. Porém, graças à contundência do seu texto, foi contratado para escrever o roteiro de O Expresso da Meia-Noite, dirigido por Alan Parker. Levou o Óscar de melhor roteiro adaptado e consagrou-se como grande roteirista. Mas isso é assunto para outra crônica!
        Voltemos a Platoon. Na festa do Óscar de 1987, ele foi o grande destaque. Venceu nas categorias de melhor filme, melhor diretor, melhor som e melhor montagem. Ah! E ao usar na trilha sonora a peça composta por Samuel Barber, Adagio for Strings, Oliver Stone encheu de tristeza os corações e mentes dos espectadores, que finalmente puderam viver uma experiência realista de como é ser um combatente na Guerra do Vietnã.

Resenha crítica do filme Platoon

Ano de produção: 1986
Direção: Oliver Stone
Roteiro: Oliver Stone
Elenco: Charlie Sheen, Tom Berenger, Willem Dafoe, Forest Whitaker, John C. McGinley, Kevin Dillon, Johnny Depp e Keith David

Comentários

  1. Este filme foi um divisor da águas nos filme sobre guerra. Muitas pessoas ainda não querem tomar conhecimento dos efeitos de uma guerra, pensam que é só ir ao campo de se dar tro uns aos outros....Não há explicação para uma guerra......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o grande mérito de Platoon foi ter proposto uma abordagem realista sobre os campos de batalha, permitindo que o espectador encare experiências emocionais mais intensas. partir daí, muitos cineastas seguiram nessa trilha.

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?

Encontro Marcado: explicando para a morte qual é o sentido da vida

Siga a Crônica de Cinema