Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Drama

Conta Comigo: um dos melhores dramas sobre amadurecimento

Imagem
Conta Migo: direção de Rob Reiner RESULTADO DE ÓTIMAS ESCOLHAS NARRATIVAS O nome Stephen King está fortemente ligado aos gêneros terror, suspense, fantasia e ficção científica. Foi causando arrepios nos leitores que o escritor vendeu mais 400 milhões de livros mundo afora, arregimentando uma legião de fãs engajados. Mas quando entramos no campo do cinema, há outras de suas facetas que nos saltam aos olhos. Enquanto algumas adaptações de seus romances são para provocar medo, como em O Iluminado , Carrie, a Estranha e It – A Coisa , outras exploram o talento do autor como contador de histórias sensíveis e edificantes. Me refiro a títulos como À Espera de Um Milagre , Um Sonho de Liberdade e Conta Comigo . Este último, dirigido em 1986 por Rob Reiner é o filme que mais destoa no universo de Stephen King – curiosamente, é aquele que o autor considera como sua melhor adaptação!           Esse filme denso e sensível foi baseado em um pequeno romance publicado em 1982, intitulado O Corpo .

A Promessa: denunciando o genocídio do povo armênio

Imagem
A Promessa: direção de Terry George CINEMA DENSO, EMOCIONANTE E ÁGIL Numa época em que a indústria do cinema está mais dedicada a oferecer entretimento fácil, voltado para um público concentrado apenas em se divertir, já não há mais cineastas interessados naquele tipo de cinema sério e grandiloquente, assinado por nomes como David Lean. Títulos como Lawrence da Arábia e Doutor Jivago , por exemplo, hoje estão arquivados na prateleira dos... antiquados. Que outro diretor se arriscaria no formato, correndo o risco de se distanciar do público jovem? Terry George, é claro! Em pleno 2016 ele arregaçou as mangas e realizou A Promessa , um filme denso e envolvente, com o porte de uma adaptação literária clássica: conta uma história de amor em primeiro plano, enquanto deixa que o espectador acompanhe no pano de fundo os tristes desdobramentos de fatos históricos marcantes.           Nascido em Belfast, Terry George construiu uma carreira sólida, cutucando temas incômodos, mas sempre relaciona

A Balada de Buster Scruggs: a mitologia do velho oeste tratada com humor inteligente

Imagem
A Balada de Buster Scruggs: dirigido pelos irmãos Coen CINEMA DE QUALIDADE MULTIPLICADO POR SEIS Como um garoto urbano, nascido em 1960, fui criado na frente do aparelho de TV, aquele móvel imenso, que ocupava todo um canto da sala, mas tinha uma tela proporcionalmente pequena. Era dotado de um tubo de raios catódicos, que quando atiçado por uma insondável traquitana eletrônica valvulada, exibia imagens em preto-e-branco. O tubo demorava alguns segundos para... esquentar, até que a imagem ficasse clara o suficiente. E com sorte, também ficaria nítida, se as condições atmosféricas não atrapalhassem. Chuviscos e fantasmas eram a regra e acabaram se incorporando à linguagem da televisão, uma mídia ainda jovem, mas esforçada em entregar uma programação variada: desenhos, novelas, esportes, shows de auditório, seriados e... filmes!           Foi através da TV que o cinema entrou no meu cotidiano. Porém, os filmes exibidos na telinha eram... velhos! Novidades? Só nas salas de exibição. Na ma

A Luz no Fim do Mundo: um drama pós-apocalíptico intimista

Imagem
A Luz no Fim do Mundo: direção de Casey Affleck MÁXIMA DENSIDADE EMOCIONAL A paternidade veio ao meu encontro quando estava para completar 30 anos. Colocou-me em uma condição diferente. Não era mais aquela do rapaz independente, agarrado às minhas paixões, que encontrava sentido nos braços da mulher que amava. Era uma outra, mais adulta e mais exigente. Na condição de pai, senti-me como se a vida tivesse me dado uma promoção. Agora, eram os meus braços que precisavam carregar mais responsabilidades. E como eles eram desajeitados! Tensos e inseguros, tremiam quando segurei minha filha pela primeira vez. Mas logo peguei o jeito. Foi quando entendi que ser pai é seguir se alternando entre duas obrigações inadiáveis: ensinar e aprender. Ensinamos o tempo todo, aprendemos o tempo todo... E nem vemos o tempo passar!           O primeiro ensinamento que vem com a paternidade é sobre generosidade. Com um filho, mudamos de atitude. Nada de esconder o jogo, ou sonegar informação. Queremos entreg

Inimigo Íntimo: o último filme de Alan J. Pakula

Imagem
Inimigo Íntimo: direção de Alan J. Pakula CINEMA SUFICIENTE PARA COMPORTAR DOIS PROTAGONISTAS O diretor americano Alan J. Pakula realizou uma extensa filmografia, mas é lembrado de imediato por títulos como Todos os Homens do Presidente e A Escolha de Sofia , que alcançaram lugar de destaque entre os grandes filmes de Hollywood. Sua última obra foi Inimigo Íntimo , realizada em 1997, um ano antes da sua morte. Na época do seu lançamento, o filme veio cercado de polêmicas, alimentadas pela mídia em torno de uma suposta guerra de egos travada nos bastidores pelos astros Brad Pitt e Harrison Ford. Se ela aconteceu, evaporou-se em irrelevância, passando despercebida pelos cinéfilos que hoje visitam o filme para fruir seu cinema de qualidade e sua história muito bem contada.           Porém, quero mencionar aqui o embate entre os atores, porque talvez ele tenha contribuído para deixar essa história envolvente ainda mais densa. Os críticos especializados costumam ressaltar as qualidades do

O Jardineiro Fiel: sobram dilemas éticos e morais

Imagem
O Jardineiro Fiel: direção de Fernando Meirelles AS BIG PHARMAS JÁ ESTAVAM NA BERLINDA! Dia desses, vasculhando a programação da TV por assinatura, deparei com o filme O Jardineiro Fiel , dirigido em 2005 por Fernando Meirelles. Atinei que havia assistido a esse filme uma única vez, à época do seu lançamento. Lembrava da trama e dos seus personagens, mas os detalhes narrativos já haviam me escapado. Que grande oportunidade! Revisitar um filme de qualidade e experimentar a mesma sensação de frescor do primeiro encontro é uma dádiva! Apertei o play e, lá pelo segundo ato, levei um susto!           – É sério? Quinze anos antes da epidemia do COVID19? – exclamei depois de fazer as contas.           Naquela época o filme já estava denunciando as tramoias entre a indústria farmacêutica e agentes estatais corruptos, para vender quantidades planetárias de vacinas e medicamentos sem um controle seguro dos seus efeitos colaterais e com margens de lucro obscenas. Com tamanho potencial explosivo,

55 Passos: a história real de Eleanor Riese

Imagem
55 Passos: direção de Bille August A AMIZADE ENTRE DUAS MULHERES MUITO DIFERENTES O dinamarquês Bille August está entre os mais conceituados diretores de cinema da Europa. Venceu a Palma de Ouro do Festival de Cannes duas vezes: em 1982, pelo filme Pelle, o Conquistador e em 1992, por As Melhores Intenções . Além disso, também traz no currículo os excelentes Trem Noturno para Lisboa e Um Homem de Sorte . Portanto, quando me deparei com seu nome na capa do filme 55 Passos , dei por encerrada minha busca pelos serviços de streaming para aquele domingo à noite. Convidei Ludy, que rapidamente veio se acomodar no sofá, para mais uma excelente sessão de cinema.           55 Passos é um drama baseado na história real de Eleanor Riese, vivida aqui pela atriz Helena Bonham Carter. Sua trajetória de vida é marcada por dificuldades e sofrimentos. Diagnosticada com esquizofrenia paranóide crônica, tinha a profundidade mental de uma criança de 12 anos, o que jamais a impediu de levar uma vida au

Snowden: Herói ou Traidor: revelando o aparato de vigilância do estado

Imagem
Snowden: Herói ou Traidor: filme de Oliver Stone UM JOVEM LIBERTÁRIO EM PAZ COM SUA CONSCIÊNCIA O filme Snowden: Herói ou Traidor , dirigido em 2016 por Oliver Stone, vem à minha mente com uma frequência preocupante. Lembro dele sempre que a assistente virtual do meu celular se intromete nas minhas conversas. Quando Ludy e eu estamos jantando, saboreando uma taça de vinho e conversando, é fatal. Aquela voz impessoal e mecanizada irrompe para nos lembrar que jamais estamos realmente sozinhos:           – Eis aqui o que consegui encontrar sobre esse assunto – responde a assistente virtual, como se houvesse sido consultada.           – Ora, vá ver seu eu tô lá na esquina, sua enxerida!           Minha resposta em tom de brincadeira é apenas para aliviar a tensão, mas o olhar que minha mulher e eu trocamos é de preocupação. A sensação de estar sob vigilância causa arrepios e avisa que vivemos tempos sombrios. Tal realidade foi revelada em detalhes nesse thriller vibrante de Oliver Stone –

Tropa de Elite: cinema de alto impacto

Imagem
Tropa de Elite: direção de José Padilha CINEMA NACIONAL VIVO E PULSANTE Comentar sobre o filme brasileiro mais comentado de todos os tempos é uma ousadia, já que corro o risco de cair em redundância. Graças aos fãs incondicionais e detratores enraivecidos que o filme conquistou, Tropa de Elite , dirigido em 2007 por José Padilha, já foi dissecado à exaustão na mídia tradicional e na Internet. Entretanto, a visão individual de cada cinéfilo sempre traz perspectivas novas para o debate. Deixe-me apresentar a minha, para ajudar a manter a fogueira acesa.           Quando entramos na sala de exibição para assistir a Tropa de Elite , Ludy e eu não trazíamos informações antecipadas sobre o filme. Minha mulher, porque não tinha interesse no tema e só estava lá para usufruir de algum entretenimento. Quanto a mim, tentava não me contaminar por opiniões e pré-julgamentos, mas temia me deparar com uma reles apropriação oportunista da estética apresentada por Cidade de Deus . Saímos ambos surpreso

Tempestade Infinita: drama real de resiliência e superação

Imagem
Tempestade Infinita: direção de Małgorzata Szumowska e Michał Englert AQUI, A TORMENTA DEVASTA O MUNDO INTERNO DOS PERSONAGENS A expressão da atriz Naomi Watts encarando as forças da natureza com um misto de assombro e destemor é uma imagem poderosa. Tem estofo suficiente para sustentar a promoção de qualquer filme de sobrevivência. Já a vimos fazendo isso em O Impossível , onde interpreta a protagonista de uma incrível história real. Agora, em Tempestade Infinita , dirigido em 2022 por Małgorzata Szumowska e Michał Englert, a atriz vem para repetir a dose. Mas se você pensa que a verá lutando somente contra o imperativo de forças externas, dessa vez poderá se frustrar. Aqui, a batalha é bem mais intimista e ocorre no campo interno, entre as várias camadas psicológicas que pertencem a uma personagem solitária e atormentada.           Sim, a história que acompanhamos em Tempestade Infinita é real. Aconteceu com Pam Bales, uma experiente guia e enfermeira, que atua como voluntária na eq

Resistência: será que Marcel Marceau fez isso tudo?

Imagem
Resistência: direção de Jonathan Jakubowicz SOBROU AÇÃO E FALTOU PROTAGONISTA Ah, o impulso de contar histórias! Para os amantes da sétima arte ele é praticamente vegetativo – é como respirar! Mas há os apressados, que não conseguem se conter e saem tagarelando de empolgação, assim que encontram uma trama das boas. O diretor venezuelano Jonathan Jakubowicz – conhecido por seu filme Mãos de Pedra – encontrou uma com potencial de sensibilizar a audiência, mas dessa vez meteu os pés pelas mãos! Seu filme de 2020, intitulado Resistência , embora bem produzido, tropeçou na narrativa. Soa incompleto, raso e só faz atiçar a vontade de conhecer mais a fundo o personagem que homenageia.           Sua história é protagonizada por ninguém menos do que Marcel Marceau, um artista superlativo, considerado um dos maiores mímicos de todos os tempos, que também atuou como coreógrafo. Criou personagens inesquecíveis e encantou plateias do mundo todo, com performances silenciosas, mas eloquentes, que fa

O Processo: crítica à burocracia opressora do sistema judiciário

Imagem
O Processo: direção de Orson Welles O DIRETOR DEIXA SUA INCONFUNDÍVEL MARCA AUTORAL Dia desses, num dos canais da TV por assinatura, assisti ao filme O Processo , realizado em 1962 por Orson Welles. Que grande oportunidade – eventos assim me animam a continuar como assinante! O longa-metragem é inspirado no romance homônimo de Franz Kafka, o escritor tcheco que se notabilizou por suas histórias repletas de conflitos psicológicos e costuradas com retalhos de realismo, delírios e originalidade. O filme segue na mesma linha, empregando uma narrativa visual arrojada e envolvente, para destacar a natureza angustiante e descabida da história. Mas antes de falar de cinema, será preciso destrinchar um pouco mais a obra literária.           Publicado postumamente em 1925, O Processo é um livro perturbador. A obra é amplamente conhecida, consagrada como uma das mais importantes da literatura moderna. Conta a história de Josef K., um alto funcionário de um banco que é tirado da cama por oficiais

Siga a Crônica de Cinema