Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2021

Planeta dos Macacos: A Origem: feito a partir de um grande roteiro

Imagem
Planeta dos Macacos: A Origem: filme dirigido por Rupert Wyatt FICÇÃO CIENTÍFICA ANCORADA EM ÓTIMOS PERSONAGENS Em 1963 o francês Pierre Boulle escreveu um romance de ficção científica onde narrava o autoextermínio da raça humana pelo uso descontrolado das tecnologias que criou, abrindo caminho para que os símios dominassem o planeta. Deu ao seu romance o título de La Planète Des Singes . Pronto! Cinco anos depois surgiu nas telas O Planeta dos Macacos , filme estrelado por Charlton Heston, que amealhou fãs no mundo todo, ditou novas possibilidades para a ficção científica e originou uma franquia que nunca mais saiu de cartaz. Uma das etapas mais vistosas dessa trajetória aconteceu com o lançamento de Planeta dos Macacos: A Origem , produção realizada dez anos atrás. É sobre ela que gostaria de me deter.           As incríveis técnicas de captura de imagens digitais conseguiram a proeza de se tornar, elas próprias, transparentes para o espectador. Nada de maquiagem ou truques cosmético

A Dama Dourada: a história real do retrato de Adele Bloch-Bauer

Imagem
A Dama Dourada: filme dirigido por Simon Curtis UM FILME ELEGANTE E SENSÍVEL, COM DOSES EXATAS DE DRAMATIZAÇÃO Gustav Klimt conquistou um lugar especial como expoente da Art Nouveau. Seus quadros são facilmente reconhecidos pela beleza extravagante, pela originalidade e pela exuberância do estilo dourado, uma fase do seu trabalho que acabou perdendo a força com a ascensão do expressionismo. Tornou-se um orgulho do povo austríaco e conquistou seu lugar de destaque na história da arte. Quando pintou o retrato de Adele Bloch-Bauer, em 1907, por encomenda de Ferdinand, marido da socialite, o artista estava no seu auge. Quando os nazistas tomaram o poder na Áustria, a obra foi pura e simplesmente confiscada – junto com todo o valioso acervo da família!           Depois da guerra, o quadro foi parar na Austrian State Gallery, virou patrimônio cultural do país e ficou por isso mesmo. Até que a descendente de Adele, sua sobrinha Maria Altman, conseguiu recuperar o quadro depois de uma árdua

Mad Max 1: filme de 1979 estrelado por Mel Gibson

Imagem
Mad Max: filme dirigido por George Miller O PONTO MÁXIMO DA LOUCURA PÓS-APOCALIPTICA No final dos anos 70 costumava sair das aulas e ir direto aos sebos no centro da cidade, para vasculhar as estantes à procura de livros baratos e histórias em quadrinhos. Era frequente encontrar exemplares em inglês da revista Heavy Metal e em francês da Metal Hurlant, os quais colecionava. O universo gráfico que vislumbrava no folhear de cada página era feito de pura modernidade. Não havia estética mais ousada e imaginativa chegando por meio da mídia convencional. Então me deparei com o filme Mad Max , realizado em 1979 por George Miller.           Na tela, reconheci imediatamente o visual pós-apocalíptico e a abordagem distópica dos quadrinhos que tanto apreciava. O filme  Mad Max veio como um sopro de novidade, impondo um tratamento diferente para os elementos de ação e perseguição comuns nos filmes do gênero. As doses de violência eram mais intensas, as velocidades maiores, as destruições eram mai

Os Bons Companheiros: um dos melhores filmes de gangsters

Imagem
Os Bons Companheiros: filme dirigido por Martin Scorsese LINGUAGEM INOVADORA E AUTENTICIDADE Quando Martin Scorsese filmou Os Bons Companheiros , em 1990, o retrato da máfia já estava nítido no imaginário popular, pintado em detalhes por Francis Ford Coppola nos seus filmes O Poderoso Chefão , de 1972 e O Poderoso Chefão II , de 1974. No entanto, a linguagem crua e autêntica trazida pelo diretor nova-iorquino soou como um sopro de renovação no gênero. O público teve a sensação de, agora sim, estar bisbilhotando o verdadeiro mundo do crime organizado em sua intimidade.           O mérito de tal proeza vai, em primeiro lugar, para Nicholas Pileggi, autor do livro Wiseguy , no qual o filme  Os Bons Companheiros se baseou. O livro foi um verdadeiro achado para Scorsese, pois forneceu o material inédito e original que precisava para dar início à sua reputação de “cineasta especializado em filmes de gângsteres”. O outro grande achado do diretor foi o próprio Nicholas Pileggi, o tipo de escr

A Vida é Bela: mensagem polêmica de um humorista colhido pelo holocausto

Imagem
Direção: Roberto Benigni UM COMEDIANTE VIVENDO OS HORRORES DO HOLOCAUSTO Para uns, belo e poético, para outros, esquizofrênico e desrespeitoso. O fato é que o filme  A Vida é Bela , comédia dramática de 1997 dirigida por Roberto Benigni, brincou com um assunto sério e navegou num mar de polêmicas, mas terminou atracando nas docas do sucesso. Venceu o Grand Prix do Festival de Cannes em 1998 e faturou três Óscares: melhor filme estrangeiro, melhor ator e melhor trilha sonora – composta por Nicola Piovani. Escrito pelo próprio Benigni em parceria com o roteirista Vincenzo Cerami, o filme ainda suscita discussões acaloradas entre os cinéfilos.          O filme  A Vida é Bela se passa durante a Segunda Guerra Mundial, na cidade de Arezzo na região da Toscana. Guido Orefice, interpretado pelo próprio Benigni, é um judeu destrambelhado, que tenta ganhar a vida como garçom, mas sonha em abrir uma livraria. Conhece Dora, interpretada por Nicoletta Braschi – mulher de Benigni – com quem vive u

Gainsbourg - O Homem Que Amava as Mulheres

Imagem
Gainsbourg: Filme dirigido por Joann Sfar O ÍCONE DA CULTURA POP FRANCESA RETRATADO POR UM DOS MAIORES NOMES DOS QUADRINHOS Dentro de todo autor de histórias em quadrinhos vibra uma alma de cineasta e todo cineasta é aficionado por histórias em quadrinhos. É claro que uma afirmação tão categórica soa arrogante e generalista, mas é a impressão que se tem depois de assistir ao filme Gainsbourg - O Homem Que Amava as Mulheres . Realizado por Joann Sfar em 2010, o filme é uma cinebiografia de Serge Gainsbourg, o ícone da cultura pop francesa, que fez sucesso como compositor, poeta, músico e pintor, além de ter transitado pelo cinema. Polêmico, para dizer o mínimo, foi profícuo em provocar e escandalizar os franceses ao longo de décadas.           Já o diretor Joann Sfar, também francês, tornou-se um dos mais consagrados artistas do mundo dos quadrinhos e é autor de inúmeros títulos que se tornaram best-sellers. É um contador de histórias inveterado, e desenvolveu um estilo inconfundível, q

Sully - O Herói do Rio Hudson: história real que rendeu um ótimo filme

Imagem
Sully: filme dirigido por Clint Eastwood O NOTICIÁRIO MOSTROU A HISTÓRIA, MAS QUEM DESVENDOU O PERSONAGEM FOI O CINEMA O ano é 2009, durante o mês de janeiro. Você está sentado diante da TV, provavelmente com uma cerveja ou uma bebida refrescante nas mãos, quando arregala os olhos diante de uma notícia incrível: um avião da US Airways com 155 passageiros a bordo faz um pouso de emergência em pleno rio Hudson – o emblemático rio que corta Nova Iorque e banha Manhattan. Por milagre todos se salvam, graças à perícia do piloto e o rápido atendimento das equipes de resgate – e apesar do frio polar que faz lá no hemisfério norte.           Diante desse fato impressionante, não sei qual seria seu primeiro pensamento, entre tantas possibilidades, mas sabendo que você é um cinéfilo, aposto que o segundo ou o terceiro poderia ser:           – Uau! Isso daria um ótimo filme!           A grande pergunta é: como você contaria essa história? O evento todo, desde a decolagem até o resgate dos passage

Platoon: um dos melhores filmes de guerra

Imagem
Platton: filme dirigido por Oliver Stone A EXPERIÊNCIA REALISTA DE SER UM COMBATENTE NA GUERRA DO VIETNÃ Platoon foi um ponto de virada nos dramas de guerra. Realizado em 1986 pelo cineasta Oliver Stone, o filme impôs um novo padrão para o gênero, que passou a incorporar elementos de realismo e permitir que a câmera opere infiltrada entre os personagens, para inserir o espectador no meio do fogo cruzado. E diferente dos grandes filmes que o antecederam – Apocalipse Now e O Franco Atirador – esse não veio com uma abordagem política: trazia tão somente o ponto de vista do guerreiro que revida os tiros do inimigo, cuja ideologia não tem importância diante da letalidade da sua munição.           Talvez esse tenha sido o segredo do enorme sucesso de Platoon . Os americanos, ainda preocupados em soprar a ferida política causada pela Guerra do Vietnã, encontraram no filme um drama sobre a guerra – qualquer guerra – mostrando seus impactos nos corações e mentes dos seus soldados. É claro qu

Agente 86: remake da série dos anos 60

Imagem
Agente 86: filme dirigido por Peter Segal O VELHO TRUQUE DO REMAKE QUE FAZ JUS À SÉRIE ORIGINAL Para se divertir assistindo ao filme Agente 86 , realizado em 2008 e dirigido por Peter Segal, não é necessário que o espectador tenha acompanhado a série homônima apresentada na TV dos anos 60. Mas quem teve esse prazer, certamente fará melhor proveito, lendo com maior fluência as espaçosas entrelinhas que se formam entre uma piada hilariante e outra.           Para começo de conversa, o nome mais vistoso por trás do filme é o de... Mel Brooks, que se tornaria um dos grandes nomes da comédia no cinema. Junto com Buck Henry, ele foi responsável pela criação do personagem e pela formatação da série, exibida entre 1965 e 1970 ao longo de cinco temporadas, totalizando 138 episódios. Depois da primeira temporada, Mel Brooks teve pouco envolvimento com a produção, que serviu de base para esse remake de 2008. A sinopse de ambos é a mesma:           Maxwell Smart, o tal Agente 86 , acaba de ser pro

Guerra dos Mundos: filme de Steven Spielberg

Imagem
Guerra dos Mundos: filme dirigido por Steven Spielberg A HISTÓRIA QUE FORMATOU A FICÇÃO CIENTÍFICA COMO GÊNERO LITERÁRIO Baseado no clássico da ficção científica escrito por Herbert George Wells  –  publicado pela primeira vez em 1897 na Inglaterra  –  o filme  Guerra dos Mundos , dirigido em 2005 por Steven Spielberg, foi realizado para ser um blockbuster. Podemos dizer que é fruto da parceria do diretor com o ator Tom Cruise, nascida durante a realização do sucesso Minority Report – A Nova Lei . Para seguir a mesma trilha, os dois perceberam que essa nova adaptação cairia como uma luva nas mãos do astro de Hollywood e do cineasta com histórico de sucessos em filmes de... extraterrestres.           Invasão alienígena já era assunto batido, além do mais, o livro de H.G. Wells narra uma história sombria, trágica e com passagens repletas de horror. Spielberg precisaria encontrar uma mensagem auspiciosa, para ressaltar o lado bom do ser humano, que aflora diante das grandes tragédias. Par

Hotel Ruanda: uma história tristemente real

Imagem
Direção: Terry George UMA HISTÓRIA CONTUNDENTE, CONTADA NO TOM CERTO Em 1994, Ruanda era um país à beira da explosão. Havia três ingredientes com elevada octanagem fervilhando num caldeirão político: o ódio racial entre as etnias Hutu e Tutsi, uma estrutura de poder baseada em privilégios construída pelos colonizadores belgas e uma mídia enfurecida, dedicada a incentivar a violência e a promover atos insanos. Quando o avião do presidente cai, num suposto atentado atribuído à minoria Tutsi, os Hutus saem às ruas e se dedicam, ao longo de quatro meses, a assassinar homens, mulheres e crianças, promovendo um genocídio sistemático que ceifou quase um milhão de almas.           Essa história tragicamente verdadeira faz parte do enredo do fime  Hotel Ruanda , filme de 2014 dirigido pelo cineasta irlandês Terry George. Mas o diretor toma o cuidado de não descambar para a mera exposição gráfica da violência, nem sucumbe à tentação de filmar um dramalhão lacrimoso. Seu filme é contu