Sully - O Herói do Rio Hudson: história real que rendeu um ótimo filme

Sully: filme dirigido por Clint Eastwood

O NOTICIÁRIO MOSTROU A HISTÓRIA, MAS QUEM DESVENDOU O PERSONAGEM FOI O CINEMA

O ano é 2009, durante o mês de janeiro. Você está sentado diante da TV, provavelmente com uma cerveja ou uma bebida refrescante nas mãos, quando arregala os olhos diante de uma notícia incrível: um avião da US Airways com 155 passageiros a bordo faz um pouso de emergência em pleno rio Hudson – o emblemático rio que corta Nova Iorque e banha Manhattan. Por milagre todos se salvam, graças à perícia do piloto e o rápido atendimento das equipes de resgate – e apesar do frio polar que faz lá no hemisfério norte.
        Diante desse fato impressionante, não sei qual seria seu primeiro pensamento, entre tantas possibilidades, mas sabendo que você é um cinéfilo, aposto que o segundo ou o terceiro poderia ser:
        – Uau! Isso daria um ótimo filme!
        A grande pergunta é: como você contaria essa história? O evento todo, desde a decolagem até o resgate dos passageiros não durou mais do que meia hora. O pouso do avião depois que sofreu a pane aconteceu em reles meia dúzia de minutos. Como você preencheria o resto de um longa-metragem de uma hora e meia?
        Para Clint Eastwood, um dos maiores diretores de Hollywood, não foi difícil encontrar a resposta: bastou filmar o excelente roteiro escrito por Todd Komarnicki. No filme Sully - O Herói do Rio Hudson, realizado em 2016, o antes e o depois na vida do heróico piloto Chesley B. Sullenberger – e na do seu co-piloto Jeff Skiles – ganham contornos emocionantes e ocupam a maior parte de uma narrativa direta, objetiva e eficiente.
        O ponto de partida usado por Komarnicki foi a história publicada em livro pelo próprio Sullenberger, em parceria com Jeffrey Zaslow, intitulada Highest Duty: My Search for What Really Matters. Ao adaptá-la para o cinema, o roteirista se valeu de alguns recursos eficientes, privilegiando o impacto visual e usando a câmera para entrar na mente do protagonista, revirar suas crenças, descobrir seus valores e revelar suas motivações. Sabiamente jogou com as informações já conhecidas pelo espectador – Sully se tornou um herói de uma hora para outra e sua façanha foi relatada em detalhes pela mídia em todo o mundo – e evitou obviedades.
        Sully - O Herói do Rio Hudson não se limita a recriar os detalhes do acidente aéreo – o que não resultaria em proeza digna de nota, dadas as facilidades oferecidas pela computação gráfica. O filme se interessa mais em acompanhar a minuciosa investigação que se seguiu por nove meses, conduzidas pelo National Transportation Safety Board, entidade americana responsável pela segurança do transporte aéreo. Tanto o piloto como sua tripulação foram interrogados num longo processo, para determinar se o pouso no rio Hudson foi uma decisão acertada, ou se Sully apenas expôs seus passageiros a um risco perigoso e desnecessário.
        O que temos aqui é um protagonista obcecado pela segurança, com um histórico de excelentes serviços prestados à aviação e uma reputação de piloto responsável e competente. Já o antagonista é... a investigação em si! Há legitimidade em questionar a ações de Sully, seguindo procedimentos que precisam ser conduzidos com frieza e imparcialidade. É aí que entra a habilidade de Clint Eastwood como contador de histórias. Ele nos mostra os conflitos internos de um homem seguro de seus valores, acostumado a estar no controle da situação, que ao se ver questionado, sofre a angustia de ter sua autoconfiança abalada. Talvez jamais volte a pilotar um avião.
        O filme de Clint Eastwood é objetivo. Os fatos, por mais incríveis, são tratados a partir das suas implicações dramáticas, seguindo uma linha não necessariamente cronológica, mas emocional. O heroísmo de Sully promovido pela mídia, a busca pela verdade por parte dos investigadores, a gratidão dos passageiros, os acontecimentos vívidos na mente do protagonista... O roteiro preciso de Todd Komarnicki caiu nas mãos do diretor certo, resultando no ótimo filme.
        Mas espere aí! E o Tom Hanks? Claro, a atuação dele foi decisiva, primeiro trazendo o bom-mocismo que ajudou a caracterizar o personagem. Depois, entregando uma atuação precisa, econômica e irradiando credibilidade. O Sully que ele interpreta estava apenas fazendo o seu trabalho. Um trabalho muito bem feito, diga-se de passagem.
        É... A história do avião que pousou no rio Hudson acabou rendendo um ótimo filme. Também pudera: foi realizado por profissionais competentes, dirigidos por um excelente contador de histórias, acostumado a desvendar os personagens por trás dos fatos.



Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.



Filme: Sully - O Herói do Rio Hudson


Ano de produção: 2016
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Todd Komarnicki
Elenco: Tom Hanks, Aaron Eckhart, Laura Linney, Anna Gunn, Autumn Reeser, Holt McCallany, Jamey Sheridan, Jerry Ferrara, Max Adler, Sam Huntington, Wayne Bastrup e Valerie Mahaffey

Comentários

Leia também:

Junte-se aos seguidores da Crônica de Cinema