A Mula

 ATOR, DIRETOR E PERSONAGEM SE FUNDEM NESSE  ÍCONE DO CINEMA



A Mula: filme dirigiddo e estrelado por Clint Eastwood

        Um escritor, lidando com palavras e com a imaginação do leitor, pode incorporar qualquer protagonista e assumir a sua voz. Falar no lugar dele e ainda assim passar credibilidade. Pode ser um homem, uma mulher, jovem... da terceira idade. Já um ator e diretor de filmes autorais tem que encontrar uma história que lhe sirva. Tem que escolher um personagem que inspire autenticidade. Um artista como Clint Eastwood faz disso uma vantagem! Foi o que ele fez em A Mula, filme que dirigiu e estrelou em 2018.
        O roteirista Nick Schenk costurou uma trama sob medida para a estatura desse ícone da sétima arte, que no ano passado completou 90 anos. Seu roteiro foi baseado num artigo do New York Time escrito por Sam Dolnick, que contava como Leo Sharp, um veterano da Segunda Guerra Mundial, entrou para o tráfico de drogas aos 80 anos de idade, fazendo o papel de “mula” para um cartel. Nicl Schenk precisou apenas de talento e imaginação para construir um personagem que pudesse ser incorporado por Clint Eastwood.
        Em A Mula, o idoso traficante virou Earl Stone, um vaidoso floricultor que foi à falência e se vê rejeitado pela família a qual jamais deu atenção. Enxerga sua idade avançada e seu histórico de bom motorista como oportunidades para levantar dinheiro, transportando drogas na surdina. Seu envolvimento com o cartel aos poucos vai se intensificando, assim como as suspeitas da polícia, que vai fechando o cerco ao redor dele. Earl é mulherengo, moralmente flexível e tem a segurança de quem já não tem muito a perder. Mas está em busca de redenção e de alguma oportunidade para fazer a coisa certa.
        No seu roteiro, Nick Schenk também encontrou espaço para desenvolver o personagem do policial entrevistado pelo New York Times, que prendeu o traficante octogenário. No filme ele é vivido por Bradley Cooper e também carrega seus questionamentos morais e seus dramas familiares. É admirável como um simples artigo pode desencadear um enredo tão denso e envolvente. É a arte de contar histórias em sua melhor expressão.
        No filme A Mula, ator, diretor e personagem formam uma espécie de trindade santa, que enche a tela para simbolizar o próprio cinema americano. Clint Eastwood interpreta mais um protagonista criado à sua imagem e semelhança. Mas a história que ele nos conta nada tem de repetitiva. É original, envolvente, emocionante e transmite credibilidade.


Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.



Filme: A Mula


Data de produção: 2018
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Nick Schenk
Elenco: Clint Eastwood, Bradley Cooper, Laurence Fishburne, Michael Peña, Dianne Wiest e Andy García

Comentários

Leia também: