A Invenção de Hugo Cabret: um filme sobre a invenção do cinema

A Invenção de Hugo Cabret: dirigido por Martin Scorsese

A INVENÇÃO DO CINEMA EXIGIU MAIS QUE INOVAÇÃO TÉCNICA. EXIGIU ARTE!

Em 2011, Martin Scorsese realizou seu primeiro filme em 3D voltado para o público infantil: A Invenção de Hugo Cabret. Belíssimo, é uma homenagem ao cinema e aos visionários que o inventaram. A produção combina uma fotografia deslumbrante com efeitos especiais magníficos, direção de arte de encher os olhos e uma excelente trilha sonora. Foi baseada no best-seller de Brian Selznick, The Invention of Hugo Cabret, que narra uma história de mistério e ao mesmo tempo funciona como um romance de aventura, ainda que um tanto sombria.
        A história se passa em 1930 e narra o drama de Hugo Cabret, interpretado por Asa Butterfield, um garoto de 12 anos que vive escondido entre as engrenagens do relógio da estação ferroviária de Montparnasse, em Paris. Órfão de um relojoeiro apaixonado por cinema, que lhe deixou de herança um autômato inacabado – uma engenhoca antropomórfica que ao ser consertada escreverá uma mensagem secreta. Enquanto tenta solucionar o mistério, Hugo vive como clandestino, roubando comida entre os comerciantes e transeuntes da estação. Quando conhece Isabelle, vivida por Chloe Moretz, encontra na garota uma parceira de aventura e juntos acabam tropeçando com George Méliès, interpretado por Ben Kingsley, com quem irão resgatar uma bela história esquecida da sétima arte.
        George Méliès é aquele que, com espírito pioneiro, realizou entre 1906 e 1923 mais de 500 filmes explorando o potencial do cinema para criar um mundo de ilusões. Com notável sensibilidade artística, acabou indo além: ajudou a estabelecer os fundamentos da sétima arte. Foi para homenageá-lo que Martin Scorsese filmou A Invenção de Hugo Cabret.
        Adaptar o livro de Selznick foi um desafio. A obra é inovadora e combina a linguagem narrativa de um livro ilustrado com a das histórias em quadrinhos. São 284 páginas com belíssimos desenhos originais, que oferecem ao leitor uma experiência de leitura envolvente e criativa. Para transpor esse universo para o formato de longa-metragem, o roteirista John Logan precisou realizar modificações: eliminou alguns personagens e criou outros para sustentar o contraponto dramático.
        A Invenção de Huho Cabret é sobre cinema. Para homenageá-lo, o roteirista trabalhou com praticamente todos os recursos narrativos que encontramos nos filmes: narração em off, flashbacks, sequências sem diálogos, animações... Há um pouco de tudo! E há também a experiência e o domínio técnico de Martin Scorsese, um cineasta completo que soube acrescentar incontáveis referências ao mundo do cinema e realizar uma obra encantadora – mostrando que não faz somente filmes de gangsters, não é mesmo?
        O filme recebeu 11 indicações para o Óscar, mas ficou só (sic) com cinco estatuetas: melhor fotografia, melhor direção de arte, melhor mixagem de som, melhor edição de som e melhores efeitos visuais/especiais. Palmas para Scorsese!


Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.


Filme: A Invenção de Hugo Cabret


Data de produção: 2011
Direção: Martin Scorsese
Roteiro: John Logan
Elenco: Asa Butterfield, Chloe Moretz, Ben Kingsley, Sacha Baron e Jude Law

Comentários

Leia também:

Junte-se aos seguidores da Crônica de Cinema