Cabo do Medo

UM THRILLER COM PERSONALIDADE, QUE PERMANECE ASSUSTADOR



Cabo do Medo: filme dirigido por Martin Scorsese

        Há muito não visitava Cabo do Medo, realizado em 1991 por Martin Scorsese. Fiz isso outro dia – reconheci a capa navegando por um serviço de streaming e cliquei de imediato. No cinema, quando assisti ao filme pela primeira vez, o impacto foi brutal. Saí impressionado com tanta violência psicológica. Desde então já assisti a muitos filmes violentos e me imaginava calejado o suficiente, a ponto de subestimar uma história contada há décadas. Nada disso! Ela continua perturbadora.
        Cabo do Medo é uma refilmagem de Círculo do Medo, dirigido em 1962 por J. Lee Thompson e baseado no romance The Executioners, escrito por John D. MacDonald. A película em branco e preto era estrelada pelos astros Gregory Peck e Robert Mitchum e apresentava a estética clássica dos thrillers Hollywoodianos que reverenciavam as fórmulas de Alfred Hitchcock. Martin Scorsese resgatou essa atmosfera, mas apimentou a história com boas doses de violência gráfica e escavou com mais profundidade a psique dos seus personagens.
        Antes de continuar, vamos a uma rápida sinopse: Max Cady acaba de sair da prisão após cumprir 14 anos, obcecado em se vingar de Sam Bowden, o advogado que o defendeu e a quem atribui a culpa por ter sido condenado. Com requintes de psicopatia, vai perseguir e aterrorizar Sam, sua mulher e a filha de 15 anos.
        Para esse remake, o roteiro original escrito por James R. Webb foi adaptado por Wesley Strick. Aqui, Sam Bowden não é o advogado exemplar que sua estampa de bem-sucedido deixa transparecer. Burlando o sistema e ocultando informações relevantes, deixou que seu cliente – um estuprador violento que espancara sua vítima até quase matá-la – tivesse a pena aumentada. Acontece que o Max Cady que entrou analfabeto na prisão aprendeu a ler – na verdade, tornou-se um leitor compulsivo. Saiu de lá “praticamente um advogado”, conhecedor dos trâmites legais e ciente da injustiça cometida por quem deveria defendê-lo.
        No filme de Scorsese a sede de vingança do psicopata Max Cady encontra um Sam Bowden impotente, incapaz de apelar para o sistema judiciário, que conhece tão bem. A questão terá que ser resolvida entre os dois. Nada de polícia, nada de tribunais. O embate entre o bem e o mal respingará violência física e psicológica para diversos personagens.
        Robert De Niro, numa de suas caracterizações mais elaboradas e memoráveis, está assustador. Nick Nolte, ótimo dentro dos ternos impecáveis, é um misto de medo, culpa, raiva e desorientação. Jessica Lange, elegante, passa da futilidade ao desespero e convence. E a jovem Juliette Lewis já se mostrava uma atriz experiente. Enfim, Cabo do Medo está ancorado em um elenco competente.
        Martin Scorsese já tinha seu nome escrito no panteão do cinema – Taxi Driver, Touro Indomável e Os Bons Companheiros eram títulos que balizam sua reputação. Mas o cineasta estava interessado em aprimorar sua performance nas bilheterias. Cabo do Medo, um clássico com grande potencial comercial, mostrou-se um projeto oportuno. O diretor o abraçou consciente de que teria que imprimir sua marca no filme. E fez isso começando pela movimentação peculiar da sua câmera, encontrando planos incomuns nas produções convencionais de Hollywood.
        A trilha sonora de Elmer Bernstein, trabalhada a partir da música original que Bernard Herrmann criou para o filme de 1962 é um elo de ligação com o Cabo do Medo original e causa certo estranhamento. Provoca tensão e suspense. Nos remete aos filmes de Hitchcock e intensifica o sentimento de desorientação que vai tomando conta dos personagens. Aliás, Scorsese parece se divertir ao salpicar seu filme com inúmeras referências ao mestre do suspense, fazendo desse um thriller fora do convencional.
        A violência que recai sobre a personagem da filha de Sam é de arrepiar. O diretor abre e encerra o filme com ela narrando a traumática experiência que viveu, o que trouxe ao remake uma perspectiva que não aparecia no filme original. Mas Scorsese manteve a essência do enredo: um advogado habituado a circular pelos labirintos do sistema se depara com uma terrível certeza: esse sistema é uma construção artificial. Não poderá valer-se dele para vencer seu embate. Terá que lutar com as próprias mãos, longe da lei, da polícia, do estado...
        Talvez Scorsese se incomodasse com uma abordagem tão... anarquista. Por isso incluiu algumas cenas desconcertantes no seu filme, como aquela em que Sam escorrega numa poça de sangue, ou a que mostra um detetive particular inepto cometendo erros primários num filme de suspense. Talvez quisesse caracterizar como patéticos aqueles que se metem a fazer justiça com as próprias mãos.



Fabio Belik é autor do livro Ventania

Um romance com sotaque de cinema. Em 278 páginas narra a história de Daniel, um garoto de 9 anos que em 1969 se vê às voltas com o abandono, vivendo momentos de amadurecimento e superação. À venda no Clube de Autores.


 

Filme: Cabo do Medo


Ano de produção: 1991
Direção: Martin Scorsese
Roteiro: James R. Webb e Wesley Strick
Elenco: Robert De Niro, Nick Nolte, Jessica Lange, Juliette Lewis


Comentários

Leia também: