Tubarão: o filme de 1976 que consagrou Stevem Spielberg

Tubarão: filme dirigido por Steven Spielberg

MEDO E SUSPENSE EXPRESSO EM DUAS NOTAS MUSICAIS QUE VALEM POR UMA SINFONIA

Quando uma cena é bem escrita, basta um olhar do personagem para saber o que se passa na sua cabeça, entender seus medos, calcular suas reações... A arte de contar histórias é sobre criar chances para gerar empatia com o público. O que fazem os grandes diretores é tirar o melhor proveito delas. É o que costuma fazer Steven Spielberg com maestria em sua extensa filmografia.
        No filme Tubarão, de 1975, sua grande proeza não foi a de materializar um monstro assustador, nem a de sincronizar o momento exato do suspense. Foi a de criar oportunidades para que o espectador se ponha no lugar do Xerife e imagine o que faria se estivesse em seu lugar.
            Tubarão se passa na ilha de Amity – um local fictício em algum ponto da região da Nova Inglaterra – onde um ataque de tubarão acende o alerta vermelho do chefe da polícia Martin Brody (Roy Scheider). Sua reação instintiva é de interditar a praia, mas o prefeito o Larry Vaughn (Murray Hamilton) bate o pé: a ilha vive do turismo de temporada e uma interdição causaria um rombo na economia. Quando novos ataques ocorrem e os turistas fogem desesperados, todos precisam se mobilizar. O xerife convoca o oceanógrafo Matt Hooper (Richard Dreyfuss) para investigar e a comunidade decide contratar o pescador Quint (Robert Shaw) para localizar e eliminar o monstro. A bordo de um pequeno pesqueiro, lá se vão os três, munidos de ousadia e coragem, tentar capturar o predador natural – tarefa que para eles tem contornos de vingança!
        Peter Benchley escreveu o livro Tubarão e depois, em parceria Carl Gottlieb, o transformou em roteiro, que foi trabalhado com habilidade por Spielberg. O imenso tubarão branco atacando banhistas incautos tornou-se um marco para os filmes de suspense, e muitos dos seus truques narrativos foram usados à exaustão em outras produções do gênero. Roy Scheider, Richard Dreyfuss e Robert Shaw enfrentam um tubarão real, assustador, feroz e imprevisível – ainda que mero produto cênico criado por engenheiros mecânicos.
        A marcante trilha sonora do filme rendeu o Óscar para John Willians e ficou eternizada na mente do público. Bastam duas notas repetidas com insistência para deixar o espectador arrepiado, à espera do monstro que se aproxima - efeito à altura da morte batendo à porta de Beethoven em sua quarta sinfonia. Tubarão é cinema de verdade!


Filme: Tubarão


Ano de produção: 1975
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Peter Benchley e Carl Gottlieb
Elenco: Roy Scheider, Robert Shaw, Richard Dreyfuss, Lorraine Gary e Murray Hamilton

Comentários

Siga a Crônica de Cinema

Leia também: