Amistad: história real que aconteceu em 1839

Cena do filme Amistad
Amistad: filme dirigido por Steven Spielberg

CONTAR UMA HISTÓRIA É EMOCIONAR, MAS É TAMBÉM PROVOCAR REFLEXÕES

Vamos combinar: usar como navio negreiro uma embarcação batizada com o nome de La Amistad é muito cinismo! Mas esse talvez seja um detalhe desimportante diante do hediondo drama real vivido pelos homens e mulheres que chegaram a Cuba em 1839 no controle do tal navio espanhol. Levados a julgamento, os amotinados precisaram provar que eram homens livres – e não meras mercadorias! Numa época em que a escravidão ainda era o modelo econômico dominante, esse foi um desafio e tanto. Steven Spielberg percebeu que contar essa história com coerência e dramaticidade seria uma grande oportunidade para fazer cinema de verdade. Em Amistad, filme que realizou em 1997, criou cenas emocionantes e cutucou em temas sempre atuais, como o preconceito racial e as liberdades individuais.
        Amistad conta a história verídica de como cidadãos livres da tribo Mende, que foram sequestrados e contrabandeados como mercadoria, conseguiram tomar o controle do navio, num motim liderado por Joseph Cinqué (Djimon Hounsou). Pensando em voltar para a África, pouparam as vidas de dois navegadores, mas foram enganados por eles e acabaram dando na costa leste dos Estados Unidos. Detidos pela marinha americana como escravos fugitivos. Acusados de pirataria e assassinato, tornam-se objeto de um litígio de propriedade entre a Coroa Espanhola, baseada em tratados comerciais, os navegadores que apresentaram recibo de compra e os oficiais da marinha que os salvaram. Mas Roger Sherman Baldwin (Matthew McConaughey), o advogado contratado pelos abolicionistas Lewis Tappan (Stellan Skarsgård) e Theodore Joadson (Morgan Freeman), fará de tudo para defendê-los, provando que ao invés de mercadorias, os juízes estão decidindo a sorte de cidadãos livres, submetidos à mais cruel e violenta desumanidade.
        O ponto de partida para a realização desse filme foi a indignação da atriz, diretora, roteirista e produtora Debbie Allen, que mais de dez anos antes havia se deparado com um ensaio sobre o caso e descobriu que ninguém o conhecia. Para ela, essa história real tinha todos os ingredientes para virar um grande filme. Por anos tentou emplacar o projeto junto aos estúdios, mas sem sucesso. Depois de assistir ao filme A Lista de Schindler, Allen decidiu que deveria persuadir Spielberg a realiza-lo. Bingo! Ela conseguiu uma reunião com o cineasta e conseguiu impressioná-lo.
        O roteiro de Amistad ficou a cargo de David Franzoni – mais tarde ele escreveria o roteiro de Gladiador – contando com uma ajuda não creditada de Steven Zaillian. A inspiração foi o romance Black Mutiny: The Revolt on the Schooner Amistad, escrito por William A. A dramatização construída no script forneceu matéria-prima para o competente elenco, que contou com a participação de Anthony Hopkins vivendo o presidente John Quincy Adams. Mas as licenças poéticas fizeram brotar críticas quanto às imprecisões históricas, especialmente relacionadas ao labirinto jurídico que o caso precisou percorrer. Mais tarde o roteiro de David Franzoni passou por uma transposição literária e foi convertido em um romance, assinado por Alex Pate e recebeu o título de... Amistad!
        Outro ponto vital para a realização de Amistad foi uma descoberta de Steven Spielberg: o ator Djimon Hounsou! Com sua estampa majestosa e carismática ele conseguiu expressar toda a altivez, a fúria e amplitude heroica de Joseph Cinqué. Ele encarnou à perfeição o líder que, mesmo em um país desconhecido e sem falar uma única palavra no idioma inglês, conseguiu levar sua gente até o fim de uma árdua batalha judicial.
        O resultado final é que Amistad se tornou mais do que um filme de tribunal. Com esse filme Steven Spielberg mostrou genuína veia dramática e nos entregou uma verdadeira ode em favor das liberdades individuais.

Resenha crítica do filme Amistad

Data de produção: 1997
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: David Franzoni
Elenco: Djimon Hounsou, Matthew McConaughey, Anthony Hopkins, Morgan Freeman, Nigel Hawthorne, David Paymer, Pete Postlethwaite, Stellan Skarsgård, Razaaq Adoti, Abu Bakaar Fofanah, Anna Paquin, Tomas Milian, Chiwetel Ejiofor e Derrick Ashong

Comentários

  1. Maravilhosa resenha pra um espetácular filme! Fabio, tal como Spielberg, nunca decepcionam!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muito obrigado! Fico feliz que tenha gostado. Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Confira também:

O Impossível: a história real da família de María Belón

Menina de Ouro: a história de Maggie Fitzgerald é real?